Tele-educação: webpalestra aborda “Aleitamento materno em tempos de covid-19”

Tele-educação: webpalestra aborda “Aleitamento materno em tempos de covid-19”
maio 07 06:17 2020 Imprimir Conteúdo

“A mãe que esteja em boas condições de saúde e queira amamentar deve ser apoiada e protegida, mesmo que ela tenha coronavírus”, destacou a médica.

Nesse momento de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (covid-19), a Saúde Estadual segue com os trabalhos de capacitação de profissionais da saúde sobre a atuação em campo, sobre os níveis de Atenção à Saúde. Seguindo o ciclo de webpalestras que envolve a covid-19, a Fundação Estadual de Saúde (Funesa), através do Telessaúde Sergipe, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizou, nesta quarta-feira, 6, a tele-educação “Aleitamento Materno em tempos de covid-19”.

Na oportunidade, gestores da Atenção Primária à Saúde (APS), da Atenção ao Alto Risco e da Atenção Pré-hospitalar, maternidade e demais interessados participaram da aula, que em breve estará disponível no YouTube, no canal Telessaúde Sergipe. De acordo com a pediatra neonatologista, presidente do Núcleo de Aleitamento Materno da Sosepe e docente da Unit, Izailza Matos D. Lopes, o aleitamento materno em tempos de covid-19 permanece ativo. “A mãe que esteja em boas condições de saúde e queira amamentar deve ser apoiada e protegida, mesmo que ela tenha coronavírus. Se houver dúvida, a mãe deve entrar em contato com o Banco de Leite Marly Sarney (Maternidade N. Sra. de Lourdes) ou o Posto de Coleta de Leite Humano Dr. Fernando José Fontes Guedes (Maternidade Santa Isabel), que estão funcionando normalmente e recebendo essas mães que necessitam de apoio”, destacou a médica.

Ao ministrar a webpalestra junto à pediatra neonatologista Izailza, a coordenadora da rede de bancos de leite humano de Sergipe e gerente do Banco de Leite Humano Marli Sarney, a enfermeira sanitarista Magda Solange Dória Vieira, afirmou que o mais importante é acolher essa mulher. “A mulher que está com dúvidas ou dificuldades na amamentação muitas vezes não tem condição de ir a uma instituição de saúde, sobretudo pelas medidas de restrição e prevenção. Então é necessário que ela ou algum familiar entre em contato conosco, através do telefone (79) 3226-6301. Se a mãe estiver com alguma síndrome gripal ou teve contato com alguém que tem, observamos todas as suas condições, analisamos a situação e fazemos as orientações adequadas”.

O Banco de Leite Marly Sarney funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h; e o prédio fica localizado na rua Mato Grosso, 1401, bairro José Conrado de Araújo.

Fonte e foto SES

  Editoria: