Zezinho participa de lançamento do Plano de Ação Territorial da Carcinicultura do BNB

Zezinho participa de lançamento do Plano de Ação Territorial da Carcinicultura do BNB
fevereiro 06 17:04 2020 Imprimir Conteúdo

Em Brejo Grande, parlamentar destaca que este é um grande passo para os avanços do desenvolvimento sustentável na região

Defensor da agricultura, do turismo e do desenvolvimento sustentável, o deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) retornou ao município de Brejo Grande nesta quinta-feira, 06, para participar do lançamento do Plano de Ação Territorial da Carcinicultura do Leste do Baixo São Francisco. A iniciativa integra o Programa de Desenvolvimento Territorial (Prodeter) do Banco do Nordeste e visa potencializar as atividades produtivas regionais, com ações e políticas públicas voltadas ao desenvolvimento local.

“Políticas Públicas só são efetivas e geram resultados se tiver financiamentos. E o Banco do Nordeste está de parabéns por compreender a importância do Baixo São Francisco sergipano e garantir investimentos. Só no ano passado, a instituição colocou mais de R$ 1 bi em investimentos em Sergipe. O lançamento desse Plano de Ação é um grande passo para os avanços da carcinicultura e do turismo sustentável da região”, afirmou Zezinho Sobral.

Além do líder da bancada governista, o evento contou com as presenças do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Luciano Bispo, da superintendente do Patrimônio da União, Jovanka Carvalho, do presidente da Associação Norte Sergipana de Aquicultura (ANSA), Amilton Amorim, o superintendente do Ministério da Agricultura em Sergipe, Haroldo Filho, além de produtores, empreendedores e a população.

Na ocasião, Zezinho Sobral relembrou que esteve na última semana em Brejo Grande, ao lado de empreendedores locais para discutir sobre potencialidades e necessidades para o desenvolvimento turístico. Sobral recordou que a relação com a região se fortaleceu quando defendeu a carcinicultura e o Plano de Zoneamento Costeiro na Assembleia Legislativa de Sergipe, além de contribuir na elaboração no aprimoramento da Lei de Licenciamento Ambiental.

Em seu discurso, Zezinho Sobral reforçou a necessidade de avanços em infraestrutura para que o turístico local se destaque. “O terceiro setor do turismo, principalmente o hoteleiro, pode empregar toda a região. Queremos que o setor se instale e gere emprego. O melhor programa social é a carteira de trabalho assinada e precisamos garantir aos nossos jovens, aos produtores e toda a comunidade. Fábricas de gelo estão chegando, mas precisamos de entrepostos de pesca. Brejo Grande não tem uma rede de energia trifásica, o que prejudica a implantação de empreendimentos”, frisou.

De acordo com Zezinho Sobral, atualmente a falta de energia é o maior limitador para consolidar o desenvolvimento da região e a implementação de indústrias. “A Energisa não fornece energia trifásica para o entreposto, por exemplo. O custo do entreposto com energia bifásica é muito alto. A trifásica, com a geração apropriada e sistema de controle, viabiliza empreendimentos. No povoado Brejão dos Negros há um conjunto habitacional pronto e não foi entregue porque não tem energia elétrica há anos e a Energisa não tomou providências”, ressaltou o parlamentar, fazendo um alerta aos gestores do Baixo São Francisco.

“Sugiro que seja feita uma comissão em parceria com a Assembleia Legislativa para cobrar respostas à Energisa. A empresa precisa apresentar um plano de desenvolvimento para levar energia às residências e aos futuros empreendimentos. A Energisa tem papel fundamental nesse momento. Política pública não se faz da noite para o dia, é uma construção e união de esforços. Temos o Banco do Nordeste investindo na região, os órgãos ambientais cuidando do ecossistema e fazendo o licenciamento correto, além da presença da SPU. A Energisa, como concessionária de energia, precisa fazer a sua parte”, complementou.

Ainda de acordo com o deputado Zezinho Sobral, a presença da SPU no Baixo São Francisco sinaliza o resultado de bons diálogos que promovem o desenvolvimento com sustentabilidade. “A SPU tem o papel importante neste momento para o Baixo São Francisco. Algumas áreas que ainda estão sob o domínio da união precisam de uma orientação e o apoio da instituição para que população, comunidades, sindicatos rurais e associações possam ter acesso ao desenvolvimento e a melhoria na economia, avançando com o turismo sustentável, com a carcinicultura, a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento dessa região, um desejo antigo da população. Peço ao SPU que as demandas da região sejam analisadas e atendidas com prioridade”, pontuou.

Fonte e foto assessoria

  Editoria: