Vigilância Epidemiologia do Estado orienta sobre H1N1 e incentiva vacinação

Vigilância Epidemiologia do Estado orienta sobre H1N1 e incentiva vacinação
junho 01 15:11 2018 Imprimir Conteúdo

A Influenza é uma doença que ocorre durante todo o ano, mas sua frequência aumenta no outono e inverno, com a chegada das chuvas e diminuição da temperatura. “Estamos no período de maior incidência de transmissão dos vírus respiratórios, como o Influenza A H1N1 pandêmico, mas também de cepas sazonais”, informou a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Mércia Feitosa.

Ela disse que a melhor maneira de prevenção da doença é a vacinação anual, que deve ser ofertada antes do período de maior circulação do vírus. “A cobertura vacinal ainda não alcançou a meta em vários municípios, o que dificulta o maior controle das infecções respiratórias causadas pela doença. As pessoas precisam aderir e entender a importância da vacina”, observou Mércia.

Ela explicou, ainda, que até o último dia 26 foram registrados no Sistema de Notificação (Sinan) Influenza Web, 132 casos suspeitos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), por isolamento de vírus respiratórios. Foram 44 casos do Vírus Sincicial Respiratório (VSR), um caso de Influenza B, oito casos de Influenza A, 44 de Influenza A H1N1 (causado pela cepa pandêmica 2009), um caso de Influenza A H3N2 sazonal, um caso de Influenza A H1 Sazonal, um caso de H1N1+VSR e um caso Influenza A+VSR.

A Secretaria do Estado de Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, constatou, até o momento, dois  óbitos, sendo dois por Influenza A (H1N1). Os óbitos ocorreram em uma criança de 5 meses e um adulto de 39 anos. Mércia Feitosa, deixou claro que a  principal prevenção é a vacina, só que está direcionada para grupos prioritários que são crianças com idade de seis meses a menor de cinco anos, gestantes, puérperas até 45 dias após o parto, trabalhadores da saúde, pessoas com 60 anos ou mais, povos Indígenas, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clinicas especiais (com prescrição médica da vacina).

O demais cuidados são  pessoais, como lavagem das mão, usar lenços descartáveis quado for tossir, utilizar álcool gel, evitar locais com aglomerado de pessoas  e utilizar utensilio pessoal de outras pessoas com talheres, pratos, copos, e se alimentar bem. “Quando estou com o meu sistema imunológico bom, posso ter contato com o vírus e reagir normalmente, e quando não estou, qualquer doença que eu tiver contato, vai complicar.”, alertou a especialista.

INFLUENZA

A doença popularmente conhecida como gripe, é combatida anualmente, através de uma forte campanha desenvolvida pelo governo Federal e acatada pelos estados da federação. A campanha anual teve início no último dia 23 de abril e segue até 15 de junho, no intuito de vacinar os grupos prioritários que incluem as crianças, (6 meses a menores de 5 anos), as gestantes, puérperas, profissionais da área de saúde, os professores (seja da rede pública ou privada), idosos e os índios.

Fonte e foto assessoria

  Editoria: