Usar o aparelho celular já é a terceira causa de morte no trânsito do Brasil

Usar o aparelho celular já é a terceira causa de morte no trânsito do Brasil
dezembro 20 13:11 2019 Imprimir Conteúdo

Em meio aos períodos festivos de fim de ano, com encontros e reuniões de famílias, a Secretaria de Segurança Pública, na manhã desta sexta-feira, 20, lança a campanha “Conexão Perdida”. O intuito é promover um debate importante  que causa prejuízos para sociedade como um todo: o uso de aparelho celular no trânsito.

A campanha “Conexão Perdida. Esteja presente, use o seu celular conscientemente” será veiculada nas redes sociais, com o intuito de conscientizar a população de que o uso do celular no trânsito pode causar não apenas danos patrimoniais, mas provocar lesões corporais e a própria morte. “A SSP vem mais uma vez contribuindo muito para diminuir os índices de acidentes de trânsito e tenho certeza que essa campanha vai conscientizar os nossos condutores que vão desfrutar do natal nos interiores e até mesmo fora do estado.”, comenta o diretor presidente do Detran, Abner Melo.

Hoje, o uso de aparelhos celular no trânsito já é a terceira causa de morte no país, segundo números da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet). “É proibido segurar, manusear e utilizar o celular, inclusive desde 2016 há o destaque do uso dos fones de ouvido . É infração de trânsito que com reincidência você pode ter sua habilitação suspensa de 2 a 5 anos”, explica o comandante da Companhia de Polícia de Trânsito (CPTran), Silveira.

Desta forma, a campanha  é baseada em dados que constam um aumento gradativo de colisões causadas por esse uso indevido. De acordo com dados fornecidos pela CPTran, só em 2019, 377 condutores foram autuados por uso do celular no trânsito em Aracaju. Além disso, também foram causados 98 acidentes com vítimas lesionadas pelo mesmo motivo, ou seja, 14% das vítimas lesionadas por acidentes de trânsito, estão relacionadas ao uso do celular. “De acordo com um estudo feito pelo Ministério de Transporte foi detectado que o uso do celular no volante pode ser ainda mais arriscado em algumas circunstâncias do que o próprio álcool.  O tempo de reação no celular aumenta 35%, já o do álcool aumenta 12%, então isso significa que a pessoa não vai ter o reflexo suficiente para fazer uma manobra, frear, desviar de um obstáculo e aí pode se acidentar”, explica a perita criminal, Carolina Brito.

Entretanto, infelizmente, as instituições ainda não conseguem ter os dados reais de acidentes de trânsito com vítimas, ou não, com o uso do celular, pois muitas vezes é uma informação omitida pelos condutores. “Com relação às lesões de trânsito ainda é um número muito menor do que a realidade, porque temos uma especificidade, a investigação da lesão de trânsito só acontece se a vítima quiser.”, explica a delegada da Delegacia de Delitos de Trânsito, Daniele Lima.

Os risco envolvendo o uso do celular ao dirigir não é segredo para ninguém, mas, mesmo assim, são registrados cerca de 1,3 milhão acidentes por ano relacionados ao uso do celular no trânsito, segundo pesquisa feita pelo Seguro Dpvat. Os dados obtidos pela pesquisa também mostram que 80% dos motoristas admitem que utilizam o aparelho ou outras tecnologias que geram distração enquanto dirigem. “O Corpo de Bombeiros recomenda que evite fazer o uso do celular durante a condução, porque expõe ao risco a sua vida e a vida de um terceiro. Esse terceiro pode ser ele mesmo em uma situação futura, ou até um familar. Evite essa exposição de risco e evite  que isso ocorra dentro da sua própria casa.”, reforça, o tenente coronel Fábio do Corpo de Bombeiros.

Perigo – Em uma via de 80km/h, a desatenção de três segundos ao pegar, destravar o celular e abrir uma mensagem pode causar uma tragédia. Isso porque, nesse curto intervalo de tempo, o veículo percorre 66 metros, o suficiente para que algum carro freie ou passe à frente e o condutor não consiga controlar a situação. Aliás, é a desatenção causada pelo uso do celular que o tornou a terceira causa principal de mortes no trânsito no Brasil, segundo a Abramet. O estudo concluiu que 150 pessoas morrem por dia, vítimas de motoristas desatentos que utilizavam esses dispositivos no momento do acidente.

Ainda segundo a Abramet, o tempo médio de resposta de mensagem de texto é de 20 a 23 segundos, enquanto se gasta de oito a nove segundos para atender a uma chamada telefônica.

Fonte e foto SSP

  Editoria: