Um caso pra estudo

Um caso pra estudo
agosto 22 08:28 2019 Imprimir Conteúdo

Faltando mais de um ano para as eleições municipais, quase uma dezena de políticos já se anunciaram pré-candidatos a prefeito de Aracaju. Por que tanto interesse em administrar uma capital repleta de problemas e carente de recursos para solucioná-los. Faz bem o eleitor quando pergunta o que leva uma pessoa a gastar dinheiro e até arranjar inimizades para assumir o comando de uma administração quase falida. É possível acreditar que políticos experientes desejem se sacrificar, trocar a vida boa do parlamento ou de outras “aspones” para se dedicar aos inúmeros problemas do povo pobre? Talvez, um estudo científico ateste que a maioria dos pré-candidatos a prefeito de Aracaju deseja mesmo é usá-la como degrau para um salto mais alto, transformando o eleitorado em moeda de troca para as negociatas políticas a serem feitas quando 2022 chegar. Os problemas financeiros da prefeitura, quando muito, servirão de lastro para os inflamados discursos de campanha eleitoral. Homem, vôte!

Nem chite

Cassado e com os direitos políticos suspensos pelo TRE, o governador Belivaldo Chagas (PSD) jura que a condenação não o afetou emocionalmente: “Não estou nem um pouco abalado. Estou dormindo o sono dos justos”, discursa. Preocupados mesmo estão os advogados dele, pois não deverá ser fácil reverter no Tribunal Superior Eleitoral o elástico resultado de sete a um contra o governador. Aff Maria!

Miserê nordestino

Dois em cada três trabalhadores por conta própria vivem com menos de um salário mínimo por mês em Sergipe. Segundo o jornal Valor Econômico, são quatro milhões de pessoas nessa situação em todo o Nordeste. Essas pessoas estão ocupadas em segmentos do comércio e de serviços, como camelôs, ambulantes, pedreiros e motoristas. Na zona rural estes miseráveis atuam em atividades agrícolas ou fazem biscates. Só Jesus na causa!

Montaria rara

Comenta-se, à boca miúda, que o senador Alexandro Vieira (Cidadania) sonha em disputar o governo de Sergipe, em 2022. Eleito graças ao “cavalo selado” que passou na porta dele, Vieira reza para se deparar novamente com a fantástica montaria. As estatísticas, porém, não o ajudam. Antes dele, o “cavalo selado” elegeu, também para o Senado, o médico Gilvan Rocha, em 1974, e geólogo Eduardo Dutra, em 1994. Vê-se que a sorte fantasiada de alazão não costuma dar as caras em todas as eleições. Vixe!

Tiro ao alvo

Os ruralistas estão em festa com a aprovação do projeto permitindo a posse de arma de fogo em toda a extensão das propriedades. Após ter sido aprovada pelo Senado e pela Câmara, a propositura deve ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).  Pode anotar: autorizados a circular pelas fazendas armados até os dentes, muitos ruralistas vão usar trabalhadores rurais sem terra como alvo para melhorar a pontaria. Crendeuspai!

Olho da rua

E o vereador de Areia Branca, Hugo Oliveira Lima (PSDB), perdeu o cargo de assessor jurídico da Emsetur. Após o deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) ter denunciado a bem paga boquinha do tucano, o governador Belivaldo Chagas (PSD) mandou exonerá-lo. Não adiantou o vereador justificar que as sessões da Câmara são realizadas em horário diferente do expediente da estatal de turismo. Nem precisa dizer que o vereador está uma fera com Gilmar Carvalho. Marminino!

Pé no DEM

Quem já está com um pé dentro do DEM é o deputado estadual Garibalde Mendonça (MDB). Seu filho Breno Mendonça já assumiu o comando do Democratas de Aracaju. Contrariado com a cúpula emedebista, Garibalde tem se reunido constantemente com José Carlos Machado, presidente do DEM em Sergipe. O deputado deve deixar o MDB tão logo seja aberta a janela permitindo a troca de partido sem o risco de perder o mandato. Ah, bom!

Jogo aberto

O deputado estadual Iran Barbosa (PT) cobrou da presidência da Assembleia que disponibilize a pauta de votação com antecedência. Segundo o petista, os deputados e assessores precisam de tempo para pesquisar sobre o assunto a ser debatido e votado nas sessões legislativas. Iran afirma que a distribuição da pauta com antecedência é democrático, transparente e necessário para qualificar o trabalho dos deputados. Certíssimo!

Malas prontas

Ainda no PTB, o vereador aracajuano Cabo Amintas garante que o PSL é o partido que ele mais se identifica, principalmente por ser a legenda do presidente Bolsonaro. O petebista jura que o fato de trocar de partido não significa que mudará de comportamento. E para não deixar dúvidas que está alinhado politicamente com a direita, o cabo-vereador diz que jamais em tempo algum se filiará ao PT ou a qualquer partido comunista. Misericórdia!

Abra o olho!

Antes de se decidir disputar uma prefeitura nas eleições de 2020 avalie bem o pensamento do genial Raul Seixas na música Cowboy fora da Lei: “Mamãe, não quero ser prefeito/ Pode ser que eu seja eleito/ E alguém pode querer me assassinar”. Morto há 30 anos, o Maluco Beleza estava certíssimo quando dizia não querer “ir de encontro ao azar”. Depois não diga que não foi avisado. Cruzes!

Recorte de jornal

Publicado no jornal aracajuano Folha da Manhã, em 23 de abril de 1938.

Resumo dos jornais

 

 

  Editoria: