Três acusados de planejar assaltos morrem em confronto com a polícia

Três acusados de planejar assaltos morrem em confronto com a polícia
dezembro 03 05:00 2019 Imprimir Conteúdo

Operação conjunta entre PM e Polícia Civil desarticula quadrilha de roubos que planejava onda de assaltos em Tobias Barreto

Na tarde desta segunda-feira, 02 de dezembro, dia que movimenta milhares de pessoas que vem realizar compras em Tobias Barreto, capital sergipana das confecções e dos bordados, informações da Polícia Civil levaram a Força Tática do 11° Batalhão a realizar diligências em busca de quatro elementos que estariam na cidade para efetuar assaltos ao comércio e às casas lotéricas.

Após rondas desde o turno da manhã, os PMs identificaram o veículo dos suspeitos e fizeram o acompanhamento tático até que os mesmos se dirigiram até o conjunto Agripino Bernardo 2, quando, subitamente, os elementos desembarcaram do veículo e se homiziaram em uma residência. A partir disso os policiais iniciaram a tentativa de abordagem, porém, foram recebidos a tiros e ocorreu o primeiro confronto, onde dois suspeitos foram alvejados e não resistiram aos ferimentos, enquanto outros dois fugiram pelos fundos da casa. Logo depois, um dos marginais que fugiram também entrou em confronto com a Polícia Civil, já na rua Geru, no centro da cidade tobiense, e também foi alvejado e morreu.

Os suspeitos que morreram cumpriam pena em liberdade e tem histórico criminal por assaltos a mão armada e tráfico de drogas. Inclusive, tinham poucos dias que receberam o benefício da progressão de pena.

Identificação dos suspeitos mortos em confronto:

– Geovanio Antônio Bita, 36 anos, de Aracaju

– Otaviano Gutemberg Fernando e Silva, 38 anos, do Piauí

– José Anderson Santos Angelino, 28 anos, de Tobias Barreto

Com eles foram apreendidos um veículo Volkswagen Gol, placa de Recife, com restrição de roubo, e três armas de fogo nos calibres .38 e .32.

O quarto elemento continua sendo procurado e a população pode contribuir anonimamente com informações pelo Disk Denúncia no telefone 180 da Polícia Cívil ou ainda pelo 190 da Polícia Militar.

As informações são do 11° Batalhão da PMSE.

  Editoria: