Transtorno Afetivo Bipolar: psiquiatra sergipano detalha a doença e o tratamento

maio 03 10:53 2022

 

Ainda pouco conhecido, o Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) atinge cerca de 10% da população e é considerado uma das principais causas de incapacidade segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Dentro do Transtorno Bipolar há o TAB I e a depressão Bipolar que é o que a comunidade científica chama de TAB tipo II. Caracterizado por um quadro predominante de depressão, muitas vezes grave, que alterna com períodos de normalidade e de hipomania (pequena elevação do humor). Tem início geralmente em adultos jovens (25-35 anos). Em entrevista, Dr. Victor Hugo, Médico Assistente da Equilíbrio Clínica Dia em Aracaju, detalhou a doença e o tratamento.

Quem tem Transtorno Bipolar tem uma doença que é caracterizada por períodos de depressão que duram de semanas a meses, períodos sem alterações e períodos de euforia (mania) nos casos de TAB I ou de hipomania nos casos de TAB II. “É difícil caracterizar o comportamento de uma pessoa bipolar, pois isso depende da fase em que o paciente se encontra. Se estiver na fase depressiva o paciente terá comportamentos depressivos, como tristeza persistente, pensamentos negativos e autodepreciativos, choro frequente, hipersonia. Na fase de mania/hipomania teremos um humor elevado, baixa necessidade de sono, pensamento acelerado, agitação, fala acelerada. Aqui vale a pena destacar que o uso popular do termo bipolar para pessoas que alternam muito o humor ao longo do dia, que são irritadas, não condiz com a Patologia Transtorno Bipolar. Portanto é um uso equivocado. E a causa dessas oscilações se deve geralmente a outros transtornos psiquiátricos como ansiedade, por exemplo”, explica Dr. Victor Hugo.

A duração da depressão bipolar depende do tempo de ciclagem que o paciente apresenta e se faz o tratamento ou não. “No paciente não tratado esse tempo dura de semanas a meses. Quando o paciente apresenta viragem para período de normalidade ou para a fase oposta de mania/hipomania. Nos pacientes tratados é possível estabilizar o quadro e manter o paciente fora de crises”, enfatiza.

O transtorno Bipolar tem fases. “Elas podem ser encurtadas e até estabilizadas se o paciente segue o tratamento adequado. TAB é uma doença que tem possibilidade de controle com tratamento adequado. A base do tratamento do Transtorno Afetivo Bipolar é com as medicações estabilizadoras de humor, para justamente impedir que haja essas alternâncias entre as diferentes fases. Muitas vezes precisamos lançar mão de antidepressivos ou antipsicóticos. O acompanhamento multidisciplinar também é importante para controlar os possíveis fatores estressores que possam desencadear alguma crise”, finaliza.

Fonte: Rodrigo Alves, Jornalista, Assessor de Imprensa. Foto: divulgação.

 

  Editoria: