Tortura e morte em abordagem da Polícia Rodoviária Federal é denunciada por deputado na Alese

Tortura e morte em abordagem da Polícia Rodoviária Federal é denunciada por deputado na Alese
maio 26 16:55 2022

 

O deputado estadual Iran Barbosa, do Psol, repudiou, na manhã desta quinta-feira, 26, na tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), a abordagem violenta de uma equipe de policiais rodoviários federais, em Umbaúba, que resultou na morte do operário Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos. Depois de ter sido imobilizado, ele foi submetido a uma verdadeira sessão de tortura, registrada por várias testemunhas, tendo sido colocado no porta-malas de uma viatura da PRF e obrigado a inalar grande quantidade de gás, numa espécie de “câmara de gás” improvisada, sufocando e vindo a óbito mais tarde.

De acordo com parentes, Genivaldo sofria de transtornos mentais. O laudo do Instituto Médico Legal, divulgado nesta quinta-feira, aponta que a morte do operário foi provocada por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda.

“Não poderia deixar de tratar deste fato, que estarreceu todo o estado de Sergipe e já é notícia nacional. Genivaldo foi simplesmente assassinado por operadores do Estado que deveriam estar ali para garantir segurança e cidadania, mas a ação terminou por levar ao extermínio de uma pessoa”, lamentou o parlamentar.

Ainda de acordo com Iran, que é membro da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Alese, infelizmente, o fato não é isolado, diante do aumento alarmante da letalidade de ações policiais registrado em todo o país.

“O Estado de exceção não pode ser tolerado. Nós temos assistido a fatos que têm sido recorrentes, onde o discurso oficial e de parte dos seus agentes tenta convencer a sociedade que para conter a violência e o crime é possível aplicar a pena de morte ou a tortura; ou que para conter violências que nem sempre são comprovadas, é possível restabelecer algo, tal qual assistimos no caso de ontem, como as câmaras de gás. Isso é um desdobramento de uma visão de violência que toma conta do Estado nacional, com repercussão aqui no nosso estado”, externou o psolista.

Para Iran, é inaceitável que condutas policiais como a registrada ontem, em Umbaúba, sejam naturalizadas. O parlamentar defendeu que o fato seja rigorosamente apurado, com isenção, e que providências sejam tomadas.

“Como membro da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, já protocolei um Requerimento para que possamos, no âmbito da Comissão, debater esse e outros fatos da mesma natureza que exigem das autoridades constituídas providências. Precisamos preservar a vida em primeiro lugar, e lembrar que as polícias têm um papel constitucional fundamental a cumprir, e nós respeitamos os agentes da Segurança Pública que cumprem o seu dever constitucional, mas não aceitaremos e não silenciaremos diante dos abusos”, colocou Iran, manifestando solidariedade à família de Genivaldo e repudiando a ação que resultou na sua morte.

O parlamentar cobrou que o Legislativo sergipano precisa se posicionar sobre o caso, exigir apuração e, cabendo, a punição para os agentes de Segurança Pública que se desviaram do seu dever constitucional e informou que está apresentando uma Moção de Protesto contra o fato.

Por George W. Silva

  Editoria: