Sergipanos se destacam no Combat Games na Hungria

Sergipanos se destacam no Combat Games na Hungria
junho 25 10:29 2019 Imprimir Conteúdo

 

Os sergipanos Matheus Freire Santos e Kayla Samara de Oliveira, foram alguns dos destaques da equipe brasileira que participou do Combat Games, em Budapest. Treinados pelo professor Luciano Oliveira, os sergipanos não conquistaram medalhas, mas ficaram em quarto lugar na modalidade de Luta Olímpica. Matheus Freire é aluno do projeto social de Judô do Batalhão de Choque da Polícia Militar, enquanto Kayla Samara é aluna do Colégio Ômega.

Para o professor Luciano, foi uma conquista honrosa. “Estar em Budapest representando o Brasil, em uma competição internacional, onde estão os melhores atletas dessa modalidade, é um orgulho para todos nós, não só para eles como atletas, mas também para mim como técnico. Participar do Combate Games é estar entre os melhores do mundo. Foram 18 países participantes. Aproximadamente 470 atletas. Só temos que agradecer a CBDE, a oportunidade de representar o país nessa competição”, revelou o professor Luciano.

Entre os participantes na Luta olímpica, estilo livre 66kg, Kayla Samara de Oliveira Santos, de Sergipe, ficou com a quarta posição. Kayla é campeã sergipana Wrestling 2017, 2018, 2019 conquistou medalha de bronze nos Jogos Escolares da Juventude por equipe 2018. É Campeã do Jogos Escolares da TV Sergipe-2019 e vice-campeã do Combat Games 2019, resultado que lhe garantiu a vaga na competição internacional em Budapest.

Matheus Freire Santos foi o outro destaque sergipano na competição. Atleta do estilo greco-romana, 75kg, Matheus é campeão sergipano de Wrestling em 2018 e 2019.  Foi também medalha de bronze Jogos Escolares da Juventude por equipe, campeão Jogos Escolares da TV Sergipe 2019 e conquistou medalha de ouro no Combat Games 2019, em Brasília. Na disputa da medalha de bronze o sergipano perdeu para o atleta da Rússia, país que é uma referência mundial nesse esporte.

“Enfrentar a Rússia no wrestling é engrandecedor e nos mostra que estamos no caminho certo. É lógico que por ser um país que se dedica a essa modalidade, teríamos dificuldade de vencê-los, mas valeu pela experiência e pela superação da nossa equipe que mandou muito bem durante o Mundial”, revelou o professor Luciano Vieira, técnico do wrestling.

Fonte e foto assessoria

  Editoria: