Sergipanos aprovam reforma do Centro de Turismo

Sergipanos aprovam reforma do Centro de Turismo
novembro 08 05:33 2018 Imprimir Conteúdo

“É essencial para as pessoas conhecerem a história de onde você mora, saber mais sobre tudo isso”, afirma estudante

Maria Isabel tem 47 anos e é natural da cidade de Itabaiana. Maria, que mora em Aracaju há 10 anos, vende pulseiras e outros objetos artesanais na feirinha que fica em frente ao Centro de Turismo que foi entregue pelo governo estadual aos sergipanos e turistas em fevereiro deste ano e garante que as acomodações do espaço melhorou bastante desde sua última reforma. Além do resgate histórico, o Centro de Turismo é um importante polo de artesanato, o que garante emprego e renda para diversas famílias dentro e nos arredores do espaço. Todo o projeto de reforma do Centro de Turismo foi pensado de forma a manter o valor histórico da edificação.

Maria Isabel lembra que o Centro disponibiliza um Centro de Atendimento ao Cidadão (Ceac) que facilita sua vida quando precisa obter vários serviços. Com isso, ela não precisa se locomover para outros postos de atendimento: “Eu gostei muito, pois a gente não precisa se deslocar daqui do centro até a rodoviária nova ou ao Shopping Riomar. Aqui já se resolve as coisas”, elogia.

A estudante do segundo ano no Colégio Estadual Leandro Maciel, Letícia Oliveira, conhece o espaço há algum tempo e acredita que a reforma foi positiva pois manteve a estrutura original dos móveis e da arquitetura, além das cores que remetem à época em que foi criado o espaço. “É essencial para as pessoas conhecerem a história de onde você mora, saber mais sobre tudo isso”, afirma.

Gleice Kelly também é estudante do segundo ano no mesmo colégio que Letícia estuda. Ela confessa que é visitante assídua do espaço, já que ele oferece diversos serviços essenciais, o que garante comodidade. “Quando preciso recarregar minha carteirinha [estudantil], sempre venho aqui”, admite.

Uma novidade que agradou foi a total adaptação do Centro a pessoas com deficiência. “Antes alguém talvez não viesse visitar o espaço por causa da sua deficiência. Agora, com a adaptação, isso ajuda”, parabeniza Letícia Oliveira, complementando que outros espaços em Aracaju têm se preocupado em oferecer acessibilidade.

Datado do século XX, atualmente o Centro guarda parte da história de Sergipe cravada em sua gente, arte, gastronomia e arquitetura.

Foto: André Moreira/ASN

  Editoria: