Secretaria de Saúde mobiliza os  75 municípios para conter avanço da Dengue

Secretaria de Saúde mobiliza os  75 municípios para conter avanço da Dengue
julho 03 16:42 2019 Imprimir Conteúdo

O objetivo da SES é  discutir os números , as ações de prevenção, bem como alinhar fluxos e estratégias para conter o avanço da doença que continua registrando novos casos

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) mobilizou as coordenações de Vigilâncias em Saúde dos 75 municípios sergipanos a fim de discutir os números da Dengue, as ações de prevenção, como também alinhar fluxos e estratégias para conter o avanço da doença que continua registrando novos casos. A reunião teve início às 8h desta quarta-feira, 3, no auditório do Centro Administrativo da Saúde (CAS).

Segundo a diretora de Vigilância em Saúde da SES, Mércia Feitosa, o panorama atual para a Dengue no estado de Sergipe registra 3661 casos notificados, 750 confirmados, seis óbitos confirmados e dois em investigação. Dos 75 municípios apenas 10 não têm nenhum registro de casos suspeito. Em comparação com o ano anterior, 2019 já ultrapassou, em seis meses, o número total de registros que totalizou, em 2018, 549 casos confirmados.

“O ano de 2017 e 2018 foram anos que tiveram uma redução do número de notificação. No país como um todo houve essa redução de todas as arboviroses – Chikungunya, Zika e Dengue. A menor redução foi da Dengue e por ser uma doença cíclica, quando vem alguns anos sem muita ocorrência, espera-se um aumento, o que está acontecendo em 2019 aqui no estado. O último ano que tivemos o maior número de casos registrado foi em 2016”, explicou Mércia.

Mércia comentou também que, neste encontro, foi feito o questionamento e a avaliação acerca dos municípios que não têm registros de casos. “Vamos verificar se realmente representa o não adoecimento ou é subnotificação”, explica.

A coordenadora de vigilância em saúde de Boquim, Antônia Simone Fontes, município classificado com índice de médio risco, comentou que a parceria com a Secretaria de Estado da Saúde é fundamental, e que recebe suporte de toda a equipe técnica da instituição para colocar em prática as ações de combate à doença.

“O nosso foco é a prevenção. Com relação à questão da Dengue tivemos oito notificações, mas todas negativas. Nós estamos buscando mobilizar todas as áreas envolvidas de uma forma multidisciplinar para que as ações sejam contínuas. Estamos trabalhando com a educação, com a Secretaria de Obras, com a Atenção Básica, com os agentes de saúde. Tivemos recentemente um trabalho com o Meio Ambiente, mutirões de limpeza, reciclagem, principalmente nas áreas de maior risco. No município, graças a Deus, até o momento, não tivemos nenhum caso positivo. Nós temos uma parceria muito grande com todas as igrejas, com todas as identidades, e trabalhamos muito em busca de parceria, principalmente com o envolvimento de todos os setores, de todas as áreas”, comentou Antônia.

Surto x Epidemia

Um surto acontece quando há um aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica, no caso de uma cidade, por exemplo, em um bairro. A situação, para que seja considerada surto, deve ter um aumento de casos maior do que o esperado pelas autoridades públicas.

Já a epidemia é caracterizada quando um surto acontece em várias regiões ao mesmo tempo. Uma epidemia municipal ocorre quando vários bairros apresentam uma doença, a epidemia estadual acontece quando vários municípios apresentam muitos casos, e, a epidemia nacional abrange diversas regiões do país.

“Para o estado de Sergipe não há risco de epidemia, mas há município que tem uma taxa de incidência muito elevada, e não tiveram casos nos últimos anos. O município, pelo aumento da taxa de incidência, sim, pode estar num estado de epidemia ou de surto. Na quinta feira, amanhã, haverá a divulgação de um novo boletim e vamos atualizar os dados dessas taxas de incidência”, disse a diretora.

A coordenadora de Vigilância em Saúde de Canhoba, Diana Silva de Almeida Carvalho, comunicou que no município há 21 casos suspeitos de Dengue. Desses, oito foram confirmados, seis descartados e cinco casos estão aguardando o resultado da sorologia e dois ainda irão coletar.

“Estou lá desde 2017, o início da gestão, e esse é o primeiro surto que eu enfrento em Canhoba como coordenadora. Ultimamente, como a gente já vem fazendo sempre, porque a Dengue não é de hoje, a gente tem feito ações de prevenção que agora estão sendo intensificadas. Nos últimos meses os agentes de endemias, junto com as equipes do Programa de Saúde da Família (PSF) dos municípios estão indo aos povoados onde o índice de infestação é maior e fazendo algumas mobilizações como mutirões de limpeza e educação em saúde com a população. A gente está trabalhando muito com a educação permanente. Essa e outras reuniões como essa são muito importantes porque nos trazem atualizações, nos conduz na forma de agir diante desses casos. Estamos muito preocupados porque Canhoba fica ao lado de municípios que estão sofrendo com isso também, com casos de mortes, então é sempre bom a presença da gente nesses encontros”, reforçou Diana.

Fotos: Flávia Pacheco

ASCOM SES

  Editoria: