Secretaria da Saúde monitora ações de enfrentamento às arboviroses transmitidas pelo Aedes Aegypti

Secretaria da Saúde monitora ações de enfrentamento às arboviroses transmitidas pelo Aedes Aegypti
abril 27 13:07 2022

Ações têm como objetivo a prevenção ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) vem desenvolvendo e monitorando ações de enfrentamento às arboviroses nos municípios do estado. Além das visitas realizadas pelos agentes de endemias para a eliminação de criadouros do mosquito nas residências e em locais abertos, os municípios também estão levando palestras às escolas, orientando a população nas feiras livres e realizando panfletagem. Todas essas ações têm como objetivo a prevenção ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

A gerente de Endemias da SES, Sidney Sá, reforça que as ações de combate à dengue são rotineiras e ocorrem o ano todo, entretanto são intensificadas no período de maior risco das arboviroses. Logo, a Secretaria da Saúde mantém constante diálogo com todos os municípios.

“A SES monitora os municípios não apenas pelos indicadores que estão registrados em sistema, mas também pelas ações educativas que esses municípios desenvolvem ao longo do ano, principalmente no período de maior risco das arboviroses, momento que os territórios intensificam essas ações. Os agentes de endemias trazem para a população daquele município, um conhecimento sobre doenças e os cuidados que devem ser tomados para prevenir as arboviroses. São várias ações que os municípios desenvolvem e que vêm dando resultado, é claro que essas atividades devem ser contínuas. Nesse sentido, nós da SES estamos dialogando e orientando da melhor forma possível”, disse.

Vale ressaltar que os 75 municípios estão mobilizados na causa, realizando diversas ações. O coordenador de Antropozoonoses de Nossa Senhora do Socorro, Maiko Antonio Lopes, explicou que o município vem intensificando as ações em todo o território, principalmente, nas localidades que o Levantamento Rápido de Índice de Infestação do Aedes Aegypti (LIRAa) apontou médio e alto risco para a dengue. Além disso, conta que, em Socorro, há um trabalho com os agentes de endemias tanto nas visitas às residências, como também na educação em saúde, com a população.

“Trabalhamos a parceria do Estado com a intersetorialidade entre as secretarias do município. Fazemos o trabalho de educação em saúde em escolas, com o teatro da dengue. A partir de maio, vamos fazer os mutirões nas comunidades em parceria com outras secretarias para recolher materiais que não têm mais serventia, que acumulam sujeiras nos quintais e terrenos baldios, evitando o acúmulo de água”, disse o coordenador de Antropozoonoses de Nossa Senhora do Socorro.

A coordenadora de endemias do município de Salgado, Maria Telma dos Santos, relatou que vem realizando ações como mutirões nas residências explicando sobre a dengue. “Estamos atentos a esse período chuvoso, intensificando as ações para prevenir a dengue, chikungunya e zika em nosso município. Também estamos fazendo uma grande divulgação nas redes sociais, porque é uma forma de orientar a população”, reforçou.

É importante destacar que cada cidadão tem papel importante nas ações de combate ao mosquito. Assim, é necessário que a população sergipana evite o acúmulo de água parada nas lavanderias, tanques, caixas d’água, vasos de plantas e em outros locais que possam ser um criadouro do mosquito, como o reservatório de água da geladeira.

Fonte e foto: Ascom/SES

  Editoria: