Rádio Esperança completa neste dia 1º, 55 anos de história e companhia

maio 01 06:55 2022

Todos os estancianos ficaram maravilhados com essa conquista de progresso para o seu município, através de Dr. Jorge.

Há quatro anos operando para grande parte do estado de Sergipe e algumas cidades baianas, a Esperança, a rádio mais antiga do interior sergipano, saiu de AM, para operar na frequência modulada, 92.7Mhz.

No Passado, a cidade de Estância, a mais importante da região sul de Sergipe, os seus habitantes, sobretudo, os que tinham uma condição financeira melhor e podiam comprar um aparelho de rádio, viviam ouvindo as rádios: Nacional e Tupy (Rio de Janeiro), Bandeirantes (São Paulo) e Sociedade (Bahia).

Os que não tinham aparelho de rádio acompanhavam somente pelos serviços de alto falantes, que na cidade de Estância tinham muitos e que eram espalhados pelo centro e alguns bairros, como o Alto-falante de Francisquinho (XPTO), Alto-falante do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e outros que surgiram depois, como o de Pimental (bairro Bonfim) e o de um pescador, que existia no bairro Porto D’Areia, no Alto da Conceição.

Foi nessa época, sentindo a necessidade de Estância, que já era conhecida como berço da imprensa sergipana, que o industriário e amante do rádio, Jorge Prado Leite, com visão futurista, uma vez que já era proprietário da Rádio Jornal AM, de Aracaju, criou a primeira rádio do interior sergipano, que é a Rádio Esperança- 1250 Khz, alcançando todo o estado e além-fronteiras. A partir daí, muitos que atuavam como locutores dos alto-falantes, foram contratados para trabalhar como locutores dessa nova rádio.

Todos os estancianos ficaram maravilhados com essa conquista de progresso para o seu município, através de Dr. Jorge Leite.

Hoje, o ouvinte acompanha uma nova programação já exibida em frequência modulada, com um som melhor e mais nítido de se ouvir, com um investimento em aparelhos modernos, sofisticados e potentes, tendo a batuta do engenheiro e empresário, Dr. Ivan Leite, que vem guiando o destino da emissora com muito esmero.

Os locutores atuais como Théo Batista, Ferreira Santos, Andrade Filho, Valter Santos, Claudina Timóteo, Ana Maria, Elba Carvalho e Adriana Leite têm feito com entusiasmo, compromisso e dedicação a audiência da Esperança FM.

HISTÓRICO DA RÁDIO ESPERANÇA

Em 1º de maio de 1967, o engenheiro e jornalista, Jorge Prado Leite, inaugurava em Estância a Rádio Esperança, marcando o pioneirismo na radiofonia do interior Sergipano, inicialmente, operando com 01 kW de potência, passando a operar com 5kW em 1972, e, atualmente, opera com 10 kW.

Com o mote ‘Música e Amizade’, abria-se os horizontes da região Sul para o progresso, através da informação, proporcionando aos milhares de ouvintes a opção de entretenimento, através de uma programação criteriosamente elaborada, de conteúdo educativo e intelectual, voltada para a valorização da Música Popular Brasileira, da cultura local e dos artistas iniciantes, que não dispunham de espaço para mostrarem seus trabalhos.

Como grande empreendedor e visionário, o engenheiro e jornalista Jorge Prado Leite, abriu as portas da Rádio Esperança para locutores iniciantes, que ao longo dos seus 55 anos de história, impulsionou a carreira promissora de muitos profissionais que se destacaram no rádio sergipano e até em escala nacional.

No decorrer de mais de meio século de atuação, a Rádio Esperança passou por cada degrau da sua história com altivez, buscando se adequar à modernidade dos tempos: dos transmissores valvulados, dos toca-discos, dos long-plays, dos gravadores de rolo, das cartucheiras, aos equipamentos de última geração tais como: link de transmissão, computadores, softwares de automação, no mesmo patamar das melhores emissoras do país.

O surgimento da ‘Pioneira do Interior Sergipano’ acendeu um período de alegrias, de festas, de entretenimento e de acesso à informação na cidade e região.  Abrolharam também três conjuntos musicais de grande repercussão nos anos seguidos, eram eles: Unidos em Ritmo, Os Cometas e os Apaches, esses alegravam os programas de calouros realizados no auditório Gonçalo Prado nas manhãs de domingo.

Em 1969, a Esperança é responsável pela criação do maior Festival de Música Popular Nordestina do estado, realizado aos domingos do mês de junho, com participação de forrozeiros de cidades do interior, no qual foram revelados diversos artistas entre eles, Zetinha, Batista do Acordeon, Zé Taquari, Rogério Cardoso e outros. Como forma de valorização da Música Popular Nordestina.

Nos últimos 55 anos a Rádio Esperança fez a transmissão das festas de Padroeiros das cidades da região Sul do Estado de Sergipe: Estância, Santa Luzia, Indiaroba, Umbaúba, Tomar do Geru; valorizou o esporte amador, levou ao ar, gratuitamente, programas educativos criados pelo Governo Federal com temas sobre Saúde, Educação, Ciência e Tecnologia, os quais eram reproduzidos como pauta do programa ‘A Esperança Conversa com Você’, apresentado pelo seu fundador e idealizador, engenheiro e jornalista, Jorge Prado Leite.

Uma das muitas virtudes da Rádio Esperança, como se diz popularmente, ‘Ensinou a Pescar’ a diversos profissionais que passaram por seu quadro de locutores tais como: Messias Carvalho, Eduardo Abril, Roberto Carioca, Reginaldo Pereira, Acrísio Gonçalves, Magno de Jesus, Augusto Santos, Araújo Junior, Carlos César, Sivaldo do Hiper Som, Edigar da Fauna e Flora, Chicão, Beto Melo, João Muniz, Karina Liberal, Rita Neris, Irene Menezes, Maria Laurinda, Roosevelt Santana, Luzineide Santana   entre outros. A Esperança deu importante contribuição ao Rádio Sergipano nesses anos.

Atualmente o quadro de radialistas é composto por: Valter Santos, Théo Batista, Ana Maria, Ferreira Santos, Adriana Leite, Andrade Filho, Elda Carvalho e Claudina Timotéo. Ivan Leite é o diretor superintendente e José Félix o diretor artístico.

Aos 55 anos de atuação no cenário radiofônico, a Rádio Esperança continua primando pela boa programação, levando música e amizade aos seus fiéis ouvintes durante 18 horas de transmissão, das 05h00, às 23h00, cumprindo o objetivo para o qual foi fundada e idealizada: ser um instrumento de integração e informação dos cidadãos que compõem o interior do Estado.

Fonte: A Tribuna Cultural

Com informação e foto do site da Rádio Esperança

  Editoria: