O furo furado

janeiro 10 07:12 2018 Imprimir Conteúdo
O almoço de ontem entre o senador Eduardo Amorim (PSDB) e o deputado federal Valadares Filho (PSB), deu asas à imaginação. Alguns embarcaram nela e navegaram sem rumo. Numa tentativa de sair na frente, alguns chegaram a publicar que neste encontro tinha sido batido o martelo para a formação da chapa da oposição que concorreria ao Governo do Estado: “Eduardo Amorim candidato a governador e Valadares Filho, a vice”. Um furo furado, sem consistência, sem verdade, sem noção. Imagine decidir uma chapa em uma conversa entre dois integrantes de um grupo formado por várias lideranças. Inimaginável. Como resposta, Valadares Filho disse que o almoço foi saboroso e o papo, produtivo, mas longe de qualquer definição. Parecida com a explicação do senador, que afirmou sair satisfeito com o que disse e ouviu. Garantiu que se enganam os que estão sonhando com um racha, nas oposições. Com relação ao anúncio, “pode ser em janeiro, fevereiro, março ou abril”, disse. Os nomes podem ser deles dois? Podem. Claro que podem. Mas essa possibilidade está longe de uma definição anunciada pelos “apressadinhos”.
VALMIR EXPLICA
Uma declaração do prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PR) repercutiu muito nos meios políticos. Ele disse que votaria em André Moura para qualquer cargo. A turma que gosta de ver o circo pegar fogo, cuidou de espalhar que o prefeito teria abandonado o senador Eduardo Amorim. Qual nada. A explicação veio em seguida.
VALMIR EXPLICA II
“André tem declarado em várias entrevistas que jamais disputará o mesmo cargo que Eduardo. Assim minha colocação não significa que não votarei com meu conterrâneo se ele disputar o governo. Claro que, não só votarei, como irei arregaçar as mangas para elegê-lo, por entender que é um político preparado e honrado. Ocorre que não existe nenhuma definição a esse respeito. No nosso grupo existem outros nomes como o do próprio Moura e do senador Valadares. Apoiarei qualquer um desses nomes. André Moura tem sido leal com Itabaiana, assim como Eduardo. Como os dois não disputarão o mesmo cargo, irei votar nos dois. Tá explicado!
SUKITA
Durante mais de uma hora o ex-prefeito de Capela, Sukita, concedeu entrevista exclusiva ao Jornal da Ilha. Falou sobre tudo e não deixou de alfinetar o senador Valadares, a quem responsabiliza por não estar no mandato de deputado estadual. Garante que não assinou nenhum documento renunciando à candidatura e disse não ter nenhum problema de votar em Eduardo Amorim para governador.
SUKITA II
Ao âncora, confirmou que fez um saque de um milhão de reais na boca do caixa, quatro dias antes de deixar o cargo de prefeito, mas jurou que o dinheiro foi todo utilizado para pagamento a fornecedores. Segundo ele, atendeu conselho da equipe econômica, pois sabia que o seu sucessor não iria quitar esses débitos. Não viu nenhum crime, apesar de ter sido condenado a devolver o valor aos cofres públicos e chegou a ser preso.
SUKITA III
O ex-prefeito ainda confirmou que será candidato a deputado federal e aconselhou o senador Valadares a ir para a imprensa e informar quem falsificou sua assinatura no caso do documento renunciando à candidatura de deputado estadual. O petista Francisco Gualberto que assumiu em seu lugar foi chamado de “líder do nada” e lamentou que ele tivesse consciência que o mandato não era seu, mas mesmo assim brigou por ele na justiça.
IPTU
O vereador Cabo Amintas disse não entender porque o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PC do 😎 recorreu à justiça para não isentar do pagamento do IPTU, portadores de doenças crônicas. Projeto neste sentido foi aprovado pela Câmara, Edvaldo vetou, mas os vereadores derrubaram o veto e o projeto virou lei. Agora, através do seu jurídico, o prefeito conseguiu, na justiça, a suspensão deste benefício.
FÉRIAS
O secretário adjunto da Comunicação, jornalista Elton Coelho está de férias. Serão l5 dias para descansar. Mandou comunicação para a imprensa, mas fez questão de dizer que estará à disposição através do ZAP. Tem sido o porta voz mais ativo da administração. O Secretário Luciano é mais das letras do que da voz. Uma boa dupla de profissionais.
BATALHA
O ex-secretário de Comunicação da prefeitura de Aracaju, radialista Carlos Batalha está citado na Operação Antidesmonte. Segundo uma fonte da coluna, a situação dele não é nada fácil. Irregularidades na contratação de empresas para realização de eventos são citadas em vários documentos. Aguardemos, pois.
COMISSIONADOS
O Governo do Estado voltou a contratar cargos comissionados. É só dar uma olhadinha do Diário Oficial para constatar. Governistas garantem que o governador Jackson Barreto, vai cumprir o que falou quando exonerou todos: vai reduzir drasticamente o número de cargos, como uma das medidas saneadoras. Segundo os assessores palacianos só voltarão aqueles que foram indispensáveis para tocar a administração. Vamos acompanhar.
REDE
O delegado Alessandro Vieira confirmou o nome do ex-vereador Dr. Emerson como futuro candidato da Rede ao Governo do Estado. “O melhor candidato”, disse. Ele, Alessandro também disputará o pleito de outubro próximo, buscando uma vaga na Assembleia Legislativa.
ARRENDAMENTO
Confirmado o arrendamento da Ilha 102, 3 FM para a Rede Xodó de Rádio. Ontem surgiram vários boatos, dentre os quais, a venda da emissora para a Igreja Universal. Não é verdade: assim como fez com as outras três rádios do interior (Estância, Propriá e Tobias Barreto) os proprietários da Ilha passaram o comando da Ilha Aracaju, para o empresário Nelson da Xodó. Essa é a verdade. Uma transação comercial como outra qualquer.
DIFICULDADE
Pessoas próximas ao deputado federal Laércio Oliveira (SD) informam que ele está encontrando dificuldades para obter apoio de muitas lideranças que estiveram com ele nas últimas eleições. Dizem que Laércio é um político que cumpre todos os acordos de campanha, mas durante o mandato vira as costas para quem caminhou com ele.
BOM EXEMPLO
O vereador Lucas Aribé (PSB) deu um excelente exemplo de respeito ao dinheiro público. Devolveu quase a metade da verba que tem direito para algumas despesas durante o exercício de 2017. Foram quase 85 milhões que voltaram para os cofres da Câmara. Também não usou toda verba para pagar a assessores e agiu da mesma forma. São atitudes assim que nos faz acreditar em um Brasil decente. Apesar de cego, o vereador enxerga longe. Aribé já confirmou que não disputa mais o mandato de vereador, por entender que dois são suficientes e passar disso é fazer carreira na política: não é o seu caso. Lucas, além de cantor, é jornalista e radialista.
  Editoria: