Nutricionista alerta sobre abusos nas comidas calóricas e chocolates durante a Páscoa

abril 01 14:40 2021 Imprimir Conteúdo

Com a proximidade do domingo de páscoa, é comum a variedade e o consumo de peixes e chocolates que o mercado apresenta. Itens obrigatórios para a comemoração de uma data tão especial. Os chocolates são apresentados em novas versões como: em barras, em ovos trufados, bombons, caixas de chocolates, entre outros, já o cardápio para o almoço Pascal conta com uma moqueca de peixe no leite de coco, bacalhau regado a muito azeite e batatas, além de fritadas de camarão. Diante de tantas delícias, vale um alerta para que esse cardápio seja apreciado com moderação para não ser prejudicial à saúde.

Quem faz essa observação é o nutricionista do Serviço de Nutrição e Dietética do Hospital de Urgências de Sergipe Governador João Alves Filho, Gilcélio Almeida. Ele ressalta que as pessoas devem ficar atentas aos diferentes tipos de propriedades que os chocolates apresentam como gorduras e açúcares, bem como no modo de preparo e na quantidade da gordura saturada que é utilizada para preparação do almoço de páscoa.

“Quanto ao chocolate, o ideal é que seja utilizado o amargo ou meio amargo, por ter uma concentração maior do extrato de cacau e ter fatores benéficos como as isoflavonas, mas quando a gente adiciona leite e açúcar para adoçar e aí sim se transforma no chocolate ao leite, começam os nossos problemas, porque o açúcar refinado, a sacarose ou xarope de glicose que eles adicionam para o sabor mais aceitável tem as implicações que a gente já conhece de aumento de gordura, colesterol ruim, além da questão do diabético que não é indicado o consumo desse tipo de açúcar”, pontuou o nutricionista.

Ele destacou ainda a quantidade ideal para a ingestão do chocolate. “Se a gente for fazer uso de um chocolate ao leite é importante tentar não passar de 15 gramas durante o dia, já que é um momento de Páscoa e a gente não consegue evitar, o ideal é fazer o consumo junto a uma grande refeição como uma sobremesa depois do almoço, porque quando eu uso esse chocolate junto com uma refeição que tenha muita proteína e salada eu faço uma redução do índice glicêmico”, ressaltou Gilcélio Almeida.

Vale destacar que, para o diabético é importante utilizar o chocolate que substitua açúcar por adoçante e aí é o chocolate diet, porém, com uma pequena observação, o chocolate diet quando substitui o açúcar pelo adoçante normalmente é adicionado um pouco de gordura para fazer uma estabilidade da estrutura do chocolate, e no final das contas ele se torna mais calórico do que um chocolate comum porque a densidade calórica da gordura é muito maior.

Quanto à preparação das comidas com a presença do leite de coco, o nutricionista ressaltou. “É importante lembrar que o leite de coco tem gordura saturada, então é consumir na menor quantidade possível essas preparações, porque a gordura saturada é um dos elementos bem presentes na constituição dos alimentos, serve até uma ressalva para o óleo de coco que é muito bom se você usar fora do seu corpo, ele é excelente para pele e cabelo, mas na ingestão não existe a indicação por causa dessa gordura saturada que é muito presente”, finalizou o nutricionista Gilcélio Almeida.

Foto: Valter Sobrinho

Ascom/SES

  Editoria: