No Dia do Comerciante, empresários não têm o que comemorar

No Dia do Comerciante, empresários não têm o que comemorar
julho 16 15:11 2018 Imprimir Conteúdo

 

A defensora pública e vereadora, Emília Corrêa (Patriota), demonstra preocupação com o pouco movimento no comércio varejista. Segundo a patriota, apesar dos descontos e preços mais convidativos, clientes estão saindo de mãos vazias dos estabelecimentos.

De acordo com parlamentar, o comércio varejista situado, principalmente, nas ruas do calçadão do Centro de Aracaju, vem sendo afetado pela crise. O volume de vendas tem caído e isso acarreta, sobretudo no aumento do desemprego.

“Com o agravamento da crise, as dificuldades financeiras só aumentam. Muitos tiveram prejuízo e continuam no vermelho, enfrentando sacrifícios e muita burocracia para seguirem com as portas abertas”, ressaltou Emília.

É o caso do comerciante, João Lira, que vende artigos femininos que pode baixar as portas pela baixa  procura. Segundo o comerciante, esse o cenário se apresenta há algum tempo, mas   esse ano está muito pior.

“Teve São João, Copa Mundo, mas as pessoas compram mais roupas e sapatos. Meu produto é bolsa  e não sai muito. Está devagar demais”, lamenta o empresário, de uma loja de bolsas de couro.

Ascom / EC

 

  Editoria: