Mulher é presa por tentar matar ex-companheira no bairro América

Mulher é presa por tentar matar ex-companheira no bairro América
janeiro 16 09:56 2018 Imprimir Conteúdo

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Atendimento a Crimes Homofóbicos, Racismo e Intolerância Religiosa (DACHRI) – unidade integrante do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) de Aracaju – cumpriu mandado de prisão contra Andresa Artuliana da Silva, 24 anos, responsável por tentar matar a ex-companheira Samaina Pereira da Silva, 25 anos; e o marido desta, Márcio Martins Santos, 26 anos, por não aceitar o término do relacionamento entre elas duas. O crime ocorreu na rua Nova Paraíba, bairro América, na capital sergipana.

A prisão aconteceu na segunda-feira, 15, por volta das 10h, no bairro Piabeta, em Nossa Senhora do Socorro, em ação conduzida pela delegada Meire Mansuet, coordenadora do DACHRI. “A vítima Samaina decidiu reatar o casamento com o esposo e por isso terminou o relacionamento com Andresa. Insatisfeita, apontou uma arma de fogo para o casal e tentou efetuar disparos, porém o casal relatou que ela puxou o gatilho diversas vezes mas as munições falharam. O casal aproveitou e correu, tendo ouvido um tiro somente quando estavam mais distantes. O disparo não os atingiu”, destacou a delegada responsável pelas investigações, juntamente com sua equipe composta pelo escrivão Geraldo Moura e os agentes Edvaldo Santos e Leonia Tércia.

Após o crime, Andresa passou a se enconder da Polícia porém recentemente voltou à rotina diária e acabou sendo localizada na casa de amigos enquanto dormia por policiais civis que atuam no DACHRI, unidade da Polícia Civil criada recentemente. “Importante destacar que Andresa responde ainda pelo sequestro do filho da vítima e pelo sequestro da própria filha, cuja guarda perdeu em Maceió/AL”, completou a delegada.

Lei Maria da Penha

Andresa responderá pela tentativa de homicídio com incidência de violência doméstica no âmbito homoafetivo, caso que incide a aplicação da Lei nº 11.340/06, conhecida como Lei Maria da Penha. A prisão preventiva representada no Judiciário foi decretada pela 5ª Vara Criminal de Aracaju.

“É muito importante a repressão qualificada nos crimes de violência doméstica em relação homoafetiva, pois não podemos nos limitar a afirmar que a violência doméstica ocorre somente quando a mulher se encontra no polo passivo. Com a criação da DACHRI iniciaremos uma prestação de serviço diferenciada e especializada para esse grupo de vulnerável”, concluiu a delegada Meire Mansuet.

Fonte e foto SSP

 

  Editoria: