Maternidade de Capela pode ser transformada em unidade especializada

outubro 30 17:00 2019 Imprimir Conteúdo
Durante entrevista nesta manhã, o governador afirmou ainda que até o dia 10 de novembro informará como será realizado o pagamento do 13º salário dos servidores do Estado

Em entrevista ao Jornal da Fan FM, na manhã desta quarta-feira (30), o governador Belivaldo Chagas falou sobre a possível transformação da Maternidade de Capela em uma unidade especializada. De acordo com Belivaldo, a gestão estadual está fazendo um ordenamento com o objetivo de melhorar os serviços e otimizar os recursos na rede de saúde do Estado.

“Não vamos deixar a população de Capela desprotegida, pois temos outros hospitais na região. Vamos continuar dialogando, mas confio na equipe da saúde e, tecnicamente, foi mostrado que há a possibilidade de fazer uma transformação dessa unidade para que passe a funcionar como ponto de apoio na área maternal e, a partir disso, há uma expectativa que a unidade seja transformada em um Centro de Especialidades para que prestemos um melhor serviço à população”, explicou o governador.

Segundo o chefe do Executivo estadual a medida se justifica uma vez que os dados mostram que, atualmente, há um alto custo e uma baixa eficiência na unidade de Capela. “Hoje, na área da saúde, a questão de ordem materna e o acompanhamento da gestante são prioridades. Para tanto, priorizamos duas regiões do estado para iniciarmos o Projeto Planifica SUS e teremos, também, o ICMS Social para que a gente incentive os serviços de saúde e diminua a mortalidade materna e infantil. O que estamos fazendo é ordenar a rede. No decorrer de um mês, a Maternidade de Capela faz, em média, 23 partos, entre cesariana e normal, com o custo de R$ 1 milhão. E quantas gestantes estão sendo encaminhadas para outras unidades? Pois temos unidades em Propriá, em Glória, Socorro e Itabaiana, não obrigatoriamente precisamos ter tudo centralizado em uma região. Estudos estão sendo feitos, inclusive, há o acompanhamento do Ministério Público desde o primeiro momento das discussões sobre essas ações”.

Para Belivaldo, a resistência a mudanças é comum no início do processo de transformação. O gestor usou o exemplo do Regional de Lagarto, que passou a funcionar em colaboração com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). “Há sempre uma resistência, como houve em Lagarto. À medida que os profissionais da Ebserh vão chegando, estamos removendo os nossos servidores para outras unidades. Agora, por exemplo, estamos colocando em funcionamento a unidade de ortopedia do Hospital Regional Dr. Jessé de Andrade Fontes, em Estância, porque recebemos oito ortopedistas que estavam em Lagarto. Assim, estamos ampliando a nossa área de atendimento”, disse.

Décimo

Ainda durante a entrevista, o governador informou que até o dia 10 de novembro informará como será realizado o pagamento do 13º salário dos servidores do Estado. “Pagaremos, como vem sendo feito nos últimos anos, ou via Banese integralmente ou parte via Banese e parte via Governo. Até o dia 10, teremos isso resolvido, porque ainda precisamos encaminhar o Projeto de Lei para Alese”, concluiu.

ASN

  Editoria: