Maior concorrência no setor aéreo vai estimular turismo, diz ministro

Maior concorrência no setor aéreo vai estimular turismo, diz ministro
setembro 27 07:34 2019 Imprimir Conteúdo

Marcelo Álvaro Antônio também destaca melhoria da infraestrutura

da Agência Brasil 

Ampliação da concorrência no setor aéreo, com entrada das chamadas low cost (empresas de baixo custo) e também com a chegada de novas empresas para fazer as rotas nacionais acirrando as disputas e diminuindo os preços das passagens para que o brasileiro viaje mais. Isso sem deixar de lado a melhoria da infraestrutura de transportes e também dos pequenos municípios, que conseguem gerar emprego mais rápido por meio do turismo. Esses são os objetivos do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Em entrevista exclusiva à Agência Brasil, o ministro falou também sobre o Mapa do Turismo, cadastro nacional com informações atualizadas de mais de 2,6 mil municípios e 333 roteiros regionais no país, e sobre o Dia Mundial do Turismo, que é comemorado nesta sexta-feira (27) e que em 2020 contará com uma celebração no Brasil.

Agência Brasil: Ministro, neste dia 27 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Turismo. O que o governo já fez no setor neste ano?
Marcelo Álvaro Antônio: O Dia Mundial do Turismo é muito emblemático. Eu olho para essa comemoração porque todo o nosso potencial turístico brasileiro precisa ser divulgado para o mundo. Inclusive, sobre o Dia Mundial do Turismo, a gente teve uma importante conquista na Rússia, em São Petesburgo, quando conseguimos trazer para o Brasil a comemoração desse dia em 2020. Isso é inédito, histórico para o Brasil. O mundo inteiro, todos os países, virão para o Brasil para comemorar aqui. Isso certamente vai trazer uma visibilidade internacional muito grande para o nosso país, mostrando todo o nosso potencial e as maravilhas para o mundo inteiro.

Agência Brasil: O governo brasileiro isentou em junho visitantes dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália e do Japão da necessidade de vistos para entrar no país. Além da isenção de vistos, o que mais a gente pode esperar para impulsionar o setor?
Álvaro Antônio: Nós olhamos para o turismo e é muito difícil a gente conseguir compreender por que o Brasil tem um potencial tão grande turístico, a gente fala aqui de sol e praia, de gastronomia, de recursos naturais, de turismo de fé, e por que esse potencial ainda não se traduziu em resultados. A gente pega parâmetros no mundo, como Espanha, México, Portugal, Grécia, e a gente entende que o Brasil precisa ainda se desenvolver muito no setor turístico. E certamente o conjunto de fatores é que vai proporcionar esse crescimento do turismo, dentre eles, por exemplo, a infraestrutura. Precisamos realmente entregar produtos turísticos que possam ser divulgados no mundo inteiro. Eu estive no Jalapão (TO) e, você desce no aeroporto de Palmas, são 280 quilômetros até o Jalapão em uma estrada com pedra, buraco, areia e que só é possível chegar de jipe. Então essa estrada é fundamental para que a gente possa entregar o produto Jalapão. Outras questões importantes: o governo do presidente Jair Bolsonaro já está fazendo [ações] como desburocratizar, desregulamentar, aprovou a lei da reforma econômica, [tem ainda] a reforma da Previdência, a reforma tributária, um conjunto de ações da economia que vai proporcionar a atração de investimentos internacionais e nacionais. Ações como a isenção de vistos são fundamentais. Dados já apontam que no mês de julho, um mês após a isenção, os gastos dos estrangeiros no Brasil já crescem mais de 33%. A gente está vivendo um momento de recursos escassos, herdamos um déficit primário de R$ 140 bilhões, mas é nesse conjunto de esforços, na parceria com a iniciativa privada, que nós vamos conseguir colocar o turismo certamente num patamar nunca visto antes no Brasil.

Agência Brasil: No mês de agosto, foi lançado o Mapa do Turismo, com dados de mais de 2,6 mil municípios de todo o país. Qual a importância disso também para a geração de renda?
Álvaro Antônio: Para que haja investimento do turismo no município, ele precisa compor o Mapa do Turismo no Brasil. Portanto, essa inclusão de novos municípios é fundamental para que lá na ponta esse recurso possa chegar e fazer a estruturação da cidade em relação ao turismo. Então é uma ação importante para que essa capilaridade do turismo possa levar emprego e renda para os municípios que também foram incluídos nesse mapa.

Agência Brasil: Ministro, o senhor esteve na exposição da Abav (Associação Brasileira de Agências de Viagens), que ocorre em São Paulo e é um evento importante do setor de turismo e hotelaria. Que novidades vão vir dessa feira?
Álvaro Antônio: A Abav é a maior feira de turismo da América Latina. Os números impressionam. São 26 mil pessoas que vão passar pela feira, são mais de 2 mil expositores, então é um ambiente muito adequado para o debate do turismo, troca de experiências. As aéreas também compõem a Abav. Vou me reunir com as aéreas no sentido de conseguir a redução do preço das passagens porque isso é fundamental para o fomento do turismo. O custo Brasil ainda é muito caro. Então eu acho que cada um dando a sua contribuição a gente vai conseguir reduzir o custo Brasil. Esse é o nosso objetivo. Entregar para a população um custo Brasil menor para que a população tenha mais liberdade para viajar e conhecer as belezas do Brasil.

Agência Brasil: O Brasil agora está com quatro empresas aéreas low cost (custo reduzido) operando no país. A ideia é trazer novas empresas, aumentar a concorrência e diminuir os preços?
Álvaro Antônio: Sem dúvida nenhuma. A Jet Smart já começa a sua operação no país também, é a quarta empresa low cost, mas a gente tem que pensar em atrair empresas para operar o espaço aéreo doméstico. As low cost trazem os turistas de outros países, levam também, mas é importante a gente consolidar algumas empresas aéreas no Brasil como a Air Europa. Já se registrou, de forma histórica, é a primeira empresa estrangeira que se registra como brasileira. Já está com seu plano de negócios praticamente pronto e deve começar sua operação até o final do ano. O que vai produzir a melhoria na qualidade dos serviços ao consumidor e a redução no preço das passagens é exatamente a competitividade, a concorrência entre as empresas. Todo o nosso esforço junto ao Ministério do Turismo é trazer mais empresas aéreas para que a gente consiga entregar para a população melhores serviços e melhor custo.

  Editoria: