Lacen e SVO passam por serviço de desinfecção para prevenção ao coronavirus

Lacen e SVO passam por serviço de desinfecção para prevenção ao coronavirus
novembro 17 11:07 2020 Imprimir Conteúdo

A coordenação de Infraestrutura da Fundação de Saúde Parreiras Horta (FSPH) realizou no último sábado, 14, a segunda etapa de desinfecção predial para prevenção ao coronavirus. Os serviços foram concentrados no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen)  e Serviço de Verificação de Óbito (SVO).

De acordo com o gestor da Infraestrutura, Jurandyr Cavalcante, o trabalho executado nas instalações das unidades tem como finalidade proporcionar um ambiente de segurança para todos. “Recebemos a orientação da diretoria da Fundação para viabilizar essa desinfecção. É importante lembrar que o procedimento não causa riscos aos servidores e nem aos trabalhadores que manuseiam os produtos químicos”, informou ele.

O serviço compreende duas etapas que inicia com uma lavagem com sabão geléia, para desinfectar o espaço, em seguida é aplicado o hipoclorito de sódio, antibactericida e esterilizante, utilizado para eliminar a possível presença de células do vírus que possam estar no chão, corrimão, maçanetas, portões, dentre outros locais.  Os gestores do Lacen e SVO avaliam que a desinfecção é uma medida de proteção para todos que circulam nas unidades.

“Na grande maioria das vezes os familiares que acompanham o óbito para emissão de declaração, estão em estado de comoção e as medidas básicas de higienização de mãos e outros são quase sempre esquecidas. A desinfecção chega como uma ação fundamental para um maior controle na propagação do coronavirus”, ressaltou Patrícia Ribeiro, gestora do SVO.

Testagem de amostras

Na unidade Lacen, onde é realizado o processamento das amostras para diagnóstico da Covid-19, o gestor da unidade, Cliomar Alves, destacou o aspecto de proteção aos servidores das áreas comuns que não trabalham com análise do coronavirus e profissionais dos municípios que circulam na instituição.

“O trabalho de desinfecção é importante para diminuir os riscos não só de contaminação do vírus como, de outras doenças que podem ser transmitidas por contágio direto”, frisou o superintendente.

(ASCOM SES)

  Editoria: