Jornalistas e radialistas não estão acima da lei

agosto 26 07:01 2018 Imprimir Conteúdo

Jornalistas e radialistas não estão acima da lei: por que a grande imprensa não noticiou denúncia de tentativa de estupro e agressões físicas que teriam sido praticadas pelo radialista George Magalhães?

Na sexta-feira, 24 de agosto, uma megaoperação da Polícia Civil de Sergipe terminou coma prisão de 91 pessoas acusadas de cometerem crimes contra a mulher. Fartas matérias nas emissoras de TV, programas de rádios e nos sites. Ali estava a grande imprensa de Sergipe mostrando sua indignação contra os assassinos, espancadores e estupradores. Ali estava o apoio a todas as mulheres sergipanas e brasileiras, cada vez mais vítimas da violência em suas variadas formas. Palmas pra a nossa imprensa.

O absurdo veio depois: a mesma imprensa que divulgou, fartamente, como deveria,  a ação da Polícia Civil em defesa da mulher, se recusou a noticiar uma denúncia de  tentativa de estupro e agressões físicas que teriam sido praticadas pelo radialista George Magalhães, da Fan FM,  contra uma jovem, que prestou boletim de ocorrência no último dia 21 de agosto na delegacia Plantonista Sul. A jovem, G.V. dos S., de 42 anos, teria pedido a polícia para não dar publicidade do seu depoimento, mas o   caso chegou ao conhecimento da imprensa na tarde desta sexta, 24. Noticiar o fato não seria condenar o denunciado.  Era simplesmente fazer jornalismo, inclusive abrindo espaço para o contraditório.

Ao portal Sergipe Notícias, a assessoria de imprensa da SSP confirmou o BO, mas não explicou porque somente na sexta o documento foi inserido no sistema pela delegada Mariana Diniz. Ainda na terça feira, a jovem se submeteu a exames de corpo de delito no IML e passou pela Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, onde foram feitos exames adicionais que servirão para comprovar o abuso sexual e as agressões das quais teria sido vítima.

Mesmo com todos esses detalhes confirmados pela SSP, a grande imprensa de Sergipe calou. Fontes fidedignas informara à coluna que algumas autoridades do Estado teriam telefonado para os donos de vários órgãos de comunicação, solicitando que não divulgassem o caso. Uma vergonha.

GEORGE TEM HISTÓRICO DE VIOLÊNCIA

O radialista George Magalhães tem histórico de violência praticada contra colegas de profissão. Em uma cobertura jornalística, agrediu o repórter Marcos Couto, que à época trabalhava Na Ilha FM, usando um gravador. Também praticou agressão física contra o também radialista e ex-vereador Jailton Santana.

A NOTA DA FN FM

A emissora distribuiu uma nota à imprensa, afirmando que acredita na inocência do seu funcionário e que o manterá no comando do programa jornalístico. Se ele é inocente, a jovem que o denunciou estaria mentindo? É a polícia quem vai dizer. Vamos aguardar as investigações, torcendo para que não seja mais um caso como tantos outros que envolvem pessoas públicas e que nunca foram devidamente esclarecidos.

EMBOLADOS

As últimas pesquisas mostram claramente que ainda existe muita indecisão por parte do eleitorado sergipano. Candidatos a governador e senador, continuam embolados, grudadinhos, principalmente Eduardo Amorim (PSC), Belivaldo Chagas (PSD) e Valadares Filho (PSB). A intenção do eleitor em anular o voto em votar em branco ainda superam os índices de intenção de votos desses candidatos.

NA TV

A quem aposte que o programa de rádio e TV que inicia na próxima sexta-feira vai decidir a eleição, principalmente no caso do governo do Estado. O candidato que apresentar uma melhor performance, por certo, ganhará pontinhos decisivos na disputa.

SEM AGRESSÃO

Se algum marqueteiro estiver pensando que baixaria nos programas eleitorais vai contar a favor do seu candidato, pode tirar o cavalinho da chuva. O eleitor, principalmente em Sergipe, passou por essa experiência na eleição passada, embarcou na onda e se deu mal. Propostas é o que o povo quer ouvir: podem anotar.

VALDEVAN

Onde será que o candidato a deputado federal, Valdevan 90 está encontrando tantos recursos para fazer uma megacampanha? Essa pergunta tem sido feita com frequência, principalmente por alguns colegas da mesma coligação. É que o rapaz vem conquistando importantes colégios eleitorais, alguns inclusive, que estavam apalavrados com outros candidatos. Estância é um exemplo. O TER precisa ficar de olho nestas campanhas.

EDUARDO

O candidato a governador, Eduardo Amorim (PSC) tem mudado o tom dos discursos. Está totalmente diferente de 2014, quando apanhou calado.  Para alguns ele tem confessado que exagerou na dose da educação e pagou caro por isso.

IMPUGNADOS

O Ministério Público Federal pediu a impugnação de 13 candidatos em Sergipe. Entre os nomes, os mais conhecidos são o de Ivan Leite (PRB), candidato a vice de Eduardo (PSC), Luciano Bispo (MDB), atual presidente da Assembleia Legislativa, que disputa a reeleição e Manuel Messias Sukita, candidato a deputado federal. A coluna não precisa dizer que, apesar do belo trabalho da procuradora Eunice Dantas, não vai dar em nada. Anotem!

A VAIAS

O acontecimento da semana foram as vaias que Jackson Barreto (MDB) levou quando tentou participar da recepção a Fernando Hadad (PT). O coro de “fora Jackson” foi puxado por professores ligados ao Sintese, incluindo a deputada estadual Ana Lúcia. Os professores não perdoam o ex-governador pelo tratamento dado à categoria durante o seu governo.

ANDRÉ MOURA

Na lista apresentada pelo Ministério Público Federal ao Tribunal Regional Eleitoral não consta o nome do deputado federal André Moura (PSC), que segue trabalhando sua candidatura ao senado. Decepção para adversários que vivem chamando André de ficha suja. Não é, segundo o próprio MPF.

RÁDIO JORNAL

O ex-prefeito de Frei Paulo, José Arinaldo de Oliveira, comprou a Rádio Jornal, de porteira fechada. Teria investido cinco milhões de reais apenas na concessão, visto que os equipamentos estão com prazo de validade esgotado. Também não ficará com o prédio. Augusto Júnior vai continuar na direção.

 

 

  Editoria: