Iniciativas pioneiras de Sergipe em relação ao gás são destacadas pelo presidente da Petrobras

Iniciativas pioneiras de Sergipe em relação ao gás são destacadas pelo presidente da Petrobras
outubro 09 12:59 2019 Imprimir Conteúdo
Em audiência pública, na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados,  o presidente falou ainda que a Fafen/Se encontra-se em processo de licitação para arrendamento e as propostas serão recebidas no dia 11 de novembro

O presidente da Petrobras, Roberto Castelo Branco, parabenizou o estado de Sergipe, na audiência pública, da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, na última terça-feira(08), pelas ações pioneiras empreendidas em Sergipe em relação ao gás.

“Sergipe não está reclamando, está trabalhando. Tem inciativas pioneiras que vão se difundir pelo restante do Brasil. É extremante importante o que o governo sergipano e sua bancada estão fazendo. É um exemplo para todo o Brasil”, ressaltou o presidente da Petrobras.

Em setembro, o governador Belivaldo Chagas assinou decreto com novas normas do Regulamento dos Serviços Locais de Gás Canalizado do Estado de Sergipe. O decreto foi um marco na regulação do uso do gás em Sergipe, investindo-se de fundamental importância para a economia do estado. A iniciativa irá possibilizar a flexibilização e a atração da cadeia produtiva do gás, abrindo o mercado sergipano para novas empresas, tendo como consequência a geração de emprego e renda, por meio do aquecimento da economia.

A audiência tratou sobre o fechamento da Petrobras na Bahia e o desmonte da Petrobras no Nordeste. Sobre o fechamento da base administrativa, Roberto Castello Branco afirmou que esse fato não está em discussão no momento. “É parte da nossa estratégia a venda de campos maduros terrestres e em águas rasas. Isso porque a contribuição desses campos para a produção total da Petrobrás é muito pequena, a produtividade é muito baixa. A produtividade média do Pré-Sal é de 21 mil barris/dia até 50 mil barris/dia, já uma produtividade média da produtividade de poços é de apenas 16 barris/dia”, explicou o presidente.

Na oportunidade,  o deputado federal Laécio Oliveira falou sobre a necessidade de formar um forte mercado de consumo do gás a ser produzido em Sergipe. “As expectativas de produção de 20 milhões de m³ de gás natural por dia. A disponibilidade do gás está prevista para 2024 e é preciso atrair consumidores intensivos de gás para dar uso a essa oferta abundante como termoelétricas, indústrias de fertilizantes, cerâmica, vidro, petroquímica, cimento e mesmo unidades de liquefação de forma a não haver a reinjeção do gás nos poços. Sergipe deverá exercer o papel de maior distribuidor de gás no Nordeste, associando a produção em águas profundas e a disponibilidade do gás do primeiro terminal privado de GNL do Brasil”, explicou o deputado Laércio Oliveira.

Fafen 

Sobre a Fafen/SE e BA, o presidente falou que o negócio de fertilizantes dava muito prejuízo a Petrobras, em torno de R$ 200 milhões ao ano.“Nós estamos num processo de licitação para arrendamento, vamos receber as propostas no dia 11 de novembro. Estamos otimistas quanto o resultado disso e espero que, em breve, elas estejam operando e atendendo as demandas das indústrias locais. No caso de Sergipe, no município de Laranjeiras, a Petrobras se comprometeu e está executando investimentos em projetos sociais. Nós estimamos R$26 milhões de reais para minimizar os efeitos dos problemas da paralisação da Fafen sobre a população mais pobre do município. Então, estamos cumprindo com o nosso compromisso”, revelou.

Em relação ao Terminal Marítimo Inácio Barbosa(Porto de Sergipe), o presidente disse que não está nos planos desinvestir e e se comprometeu a encaminhar os detalhes do planejamento sobre o Porto de Sergipe.

ASN
Foto divulgação
  Editoria: