Impasse sobre funções de servidores no IML termina em graves denúncias

Impasse sobre funções de servidores no IML termina em graves denúncias
setembro 26 09:20 2019 Imprimir Conteúdo

A denúncia que vem sendo feita pelo Sindicado dos Papiloscopistas (Sinpoltec) sobre funções que estariam sendo realizados por pessoas não capacitadas, terminou com uma denúncia ainda mais grave.

Por conta disso, os Papiloscopistas da Polícia Técnica, fizeram uma paralisação por 48 horas, na terça e quarta-feira, para chamar a atenção da Secretaria de Segurança Pública, sobre o cumprimento da Lei Complementar 314/2018.

Na manhã desta quinta-feira (26) uma outra denúncia e ainda mais grave, foi feita pelo presidente do Sinpoltec, Eziel Oliveira, ao afirmar que há falta de equipamentos para o trabalho dos profissionais. “A falta de uma serra elétrica faz com que é usado um serrote de carpinteiro”, contou Eziel em entrevista ao radialista Carlos Ferreira, no programa Espaço Livre Noticias.

Outro fato apresentado pelo sindicalista é de que o Instituto Médico Legal teria perdido uma verba no valor de R$ 5 milhões por falta de planejamento. Por conta disso, a verba teria sido devolvida para o ministério.

Além dessas denúncias, Eziel Oliveira dirigiu suas críticas ao diretor do IML, Dr. José Aparecido, afirmando que “ele é um bom médico, mas é ausente”, disse o presidente do sindicato.

Ainda sobre o IML, as informações passadas por Eziel são de que o secretário de segurança teria promovido a mudança de uma servidora que estaria em um cargo em comissão. Por conta disso, a suposta servidora teria feito um abaixo assinado tentando se manter na função, onde segundo ele, os servidores estariam sendo coagidos.

Eziel explicou que o caso foi comunicado ao secretário João Eloy que de imediato recebeu os trabalhadores e determinou que fosse mantido a sua decisão, que seria o afastamento da servidora.

Ainda segundo o paliloscopista, a falta de exames que não estão sendo realizados no IML, devido ao contrato com o laboratório que estaria vencido, há dezenas de corpos que estariam em geladeiras aguardando para que seja realizado o exame exigido pelo medido legista.

  Editoria: