Ficar contra a intervenção federal no Rio é o mesmo que apoiar os traficantes

março 26 05:34 2018 Imprimir Conteúdo

Alguns líderes políticos deste país se colocam contrários a intervenção federal no Rio de Janeiro e nem ao menos tentam justificar ou apresentar justificativas. São contra e pronto. Na verdade, são esquerdistas de plantão que reforçam o cordão do “quanto pior, melhor”. Se a medida vem do governo, sejam boa ou ruim, não apoiam: pior, esculhambam, mesmo que beneficie a comunidade. Ora, a segurança pública em terras fluminenses ultrapassou todos os limites, fugiu totalmente do controle das autoridades estaduais que se mostraram incompetentes e se viram às voltas com a falência do estado, em função da roubalheira liderada pelo ex-governador Sérgio Cabral e sua quadrilha.

Para esses oposicionistas radicais, sem noção, a exemplo dos senadores Humberto Costa e Gleisi Hoffman, do PT, dentre outros fanáticos, a mão do governo federal é inconstitucional e desnecessária. Que verborreia, sem qualquer sentido ou senso de responsabilidade. Vários constitucionalistas sérios, sem vínculos com a sujeirada da politicagem nacional, analisam como correta sob o aspecto jurídico e garantem que o governo percorreu todos os caminhos exigidos pela constituição. Já especialistas em segurança pública afirmam que não viam outra solução, uma vez que as policias estaduais perderam totalmente o controle da situação.

BANDIDOS USAM CRIANÇAS

É claro que não se pode admitir excessos dos militares do Exército Brasileiro nesta, ou em qualquer outra missão. As revistas devem acontecer dentro da normalidade, mas também não se pode pedir que eles cheguem às favelas com rosas para os traficantes ou seus aviões. Quem neste país não sabe que os bandidos usam crianças no seu serviço sujo? Como não revistar menores que andam com mochilas ou outros recipientes que possam ser usados para transportar drogas ou maras? Ora, deixem de hipocrisia. Nestas comunidades, muitas crianças, ao invés de receberem um lápis, recebem uma arma. É assim que o tráfico age.

Agora, esses vermes estão usando pessoas de bem que moram nestas comunidades, inclusive jovens e adolescentes, numa tentativa desesperada de colocar o povo brasileiro contra o Exército. E os esquerdistas de plantão, tentam passar para a população que os militares estão constrangendo os trabalhadores. Essa posição nada mais é que uma declaração de amor aos bandidos, com o propósito de macular a imagem do governo federal, a quem são oposição. São perfeitos idiotas, de um partido que implantou no país, o maior esquema de corrupção do mundo, e querem voltar ao poder, nem que para isso seja necessário defender o indefensável ou se aliar a quem possa financiar suas campanhas, não importa se forma legal ou ilegal.

COMUNIDADES VIVEM EM PÂNICO

Quem neste país não sabe que moradores das favelas cariocas, vivem sob o domínio do tráfico? Quem não sabe que muitos morreram, vítimas de balas perdidas, durante tiroteio entre facções rivais? Quem não sabe que, até para ir a uma padaria é preciso pedir licença aos “vigias” das “bocas”. Quem não sabe que a comunidade paga gás, TV a Cabo, vigilância e outros serviços aos traficantes? Que são eles quem decide quando tem ou não tem aulas para as crianças? Deixem de ser hipócritas e parem de tentar confundir a opinião pública com opiniões comunistas desnecessárias e criminosas. Subam aos morros, levem sua ajuda. Não, jamais farão isso. São comunistas que vivem em luxuosos apartamentos, muitos comprados com dinheiro de propina, com segurança particular e com seus filhos frequentando escolas particulares.

Assim é fácil dizer que a intervenção federal no Rio de Janeiro é desnecessária. Eles nunca foram lá. Não sabem o que o povo passa. Não tiveram filhos (graças a Deus), mortos por balas perdidas. Temos, isso sim, que torcer para que essa intervenção dê certo e que as pessoas de bem de todas essas comunidades passem a respirar aliviados com a prisão destes perigosos bandidos que espalham terror em todos esses locais. Vocês estiveram no poder por mais de 12 anos e não resolveram a situação da segurança pública. Ao contrário, fugiram do problema e criaram seu próprio exército, o “exército do stédile”, como o líder de vocês denomina o MST. Deixem que o Exército Brasileiro cumpra a sua missão constitucional e quem sabe em pouco tempo tenhamos crianças aprendendo a ler, ao invés de aprender a atirar.

  Editoria: