Ex-vereadora condena atitude do prefeito de São Cristóvão

Ex-vereadora condena atitude do prefeito de São Cristóvão
dezembro 18 15:53 2019 Imprimir Conteúdo

 

Ao ser entrevistada nesta quarta-feira (18) a ex-vereadora Gedalva Umbaubá disse que “o prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana, não só  desrespeitou o Legislativo Municipal, assim como assumiu uma postura de ditador com o objetivo claro de censurar e impedir o vereador Lilo Abençoado de fiscalizar as ações do Poder Executivo”.

E acrescentou: “Foi uma falta de respeito acrescido do caráter intimidatório ao vereador do DEM, caracterizando um retrocesso e um afronta à independência do Legislativo Municipal. Afinal, ele dizia em seus discursos de campanha ser o mais preparado para governar o município”. Na verdade, disse Gedalva, “com essa atitude ele demonstrou, mais uma vez, total despreparo e também uma arrogância sem tamanho”.

Ontem, dia em que o ofício chegou às mãos do presidente da Casa Legislativa, Paulo Júnior, Gedalva Umbaubá já tinha dito, através das redes sociais que, ao tomar conhecimento do teor do ofício enviado pelo prefeito Marcos Santana à Câmara Municipal e endereçado ao presidente Paulo Júnior, condenou com veemência tal atitude que ela considerou prepotente, intimista e ditatorial por parte do chefe do Executivo Municipal.

“A conclusão a que chegamos e, acredito, a maioria das pessoas que tomaram conhecimento do fato, é que o prefeito Marcos Santana não sabe qual o verdadeiro papel do vereador ou apenas manifestou, mais uma vez, a sua total falta de respeito ao Poder Legislativo de São Cristóvão”, desabafou a ex-vereadora.

E acrescentou Gedalva Umbaubá: “a atitude do prefeito foi uma verdadeira tentativa de intimidação ao fazer questão de assinar o ofício ao presidente Paulo Júnior”. Afinal de contas, o documento foi encaminhado ao Poder Legislativo com objetivo de censurar e impedir o vereador Lilo Abençoado de fiscalizar as ações do executivo.

E a sua atitude, destaca Gedalva, mostra claramente que ele (o prefeito Marcos Santana) esquece que Lilo Abençoado é um agente do Poder Legislativo, eleito para representar o povo e fiscalizar a administração municipal. E mais: “a Constituição Federal garante a independência desse mesmo Poder, e nenhum outro pode interferir nos seus trabalhos”. explica.

O papel do vereador não pode ser resumido apenas para criar leis para beneficiar o povo e o município. Existe ainda uma função ligada ao seu cargo que é a fiscalização das ações do Poder Executivo Municipal. “É por isso que a lei prevê deveres importantes dos vereadores, a exemplo de fiscalizar e controlar diretamente os atos do Poder Executivo, inclusive da administração indireta”, finaliza Gedalva Umbaubá.

  Editoria: