Especialista explica com a mudança de clima favorece o aumento de viroses

Especialista explica com a mudança de clima favorece o aumento de viroses
julho 12 14:16 2019 Imprimir Conteúdo

Todos os anos no período do inverno as urgências dos hospitais enchem de pessoas acometidas pelas viroses. Isso porque as mudanças no tempo afetam o nosso organismo e, a depender do sistema imunológico de cada um, as gripes e resfriados são inevitáveis. Além disso, os vírus responsáveis por causar problemas respiratórios, se tornam comum nessa época do ano.

O alergologista do Hapvida, o dr. David Pizzi, frisa que esta época do ano, por ser mais fria, facilita a propagação das viroses. “As pessoas ficam mais tempo dentro de casa, em ambientes fechados. Um espirro, uma tosse pode contaminar os que estiverem em um mesmo ambiente”, explica.

É preciso estar atento, porque apesar de virose ter se tornado um termo popular, existem diferenças que são cruciais entre as viroses. A virose é a doença ocasionada por vírus. Segundo o dr. David Pizzi, as viroses são classificadas de acordo com o seu local de ação. “Temos as viroses respiratórias, que são as gripes, por exemplo, e também temos as viroses alimentares, mais frequentes no verão, a exemplo da diarreia”, explica.

Ele acrescenta que o resfriado, a gripe e a dengue são os tipos de viroses mais comuns no inverno. Apesar de possuírem muitas características semelhantes, a exemplo do mal estar, dor de cabeça, infecção na garganta e febre, é o vírus causador e a intensidade dos sintomas que vão diferenciar uma doença da outra.

Cuidado com a automedicação!

É fundamental que ao perceber sintomas como dor de cabeça, dor no corpo, vômitos e diarreias, o acometido procure imediatamente um médico. Não é recomendado a automedicação, a prática, apesar de parecer inofensiva, deve ser evitada. “O ideal é procurar um profissional da área da saúde para realmente identificar se é uma virose ou não. A depender da doença, existem os medicamentos indicados para o tratamento. Os antigripais devem ser evitados, porque são um composto de vários medicamentos, quando, na realidade, o paciente não precisa tomar todos aqueles e apenas um seria necessário. As medidas básicas são a hidratação, alimentação saudável, repouso e os medicamentos sintomáticos. Se está com dor, é remédio para dor. Se está com febre, é remédio para febre, de preferência prescritos por um profissional da saúde”, recomenda o especialista.

D Comunicação Estratégica

  Editoria: