Energisa reforça orientações de segurança para os trabalhadores da zona rural

março 05 10:30 2021 Imprimir Conteúdo

Falta de atenção no campo pode acarretar em acidentes graves

Em 2020 foram registradas 76 ocorrências envolvendo máquinas agrícolas

O manuseio de tratores, máquinas agrícolas e outros equipamentos, nas proximidades da rede elétrica, pode resultar em incidentes graves, como a interrupção do fornecimento de energia para milhares de clientes ou acidentes fatais. Devido às grandes dimensões desses equipamentos, seus operadores precisam redobrar os cuidados para mantê-los a uma distância segura da rede elétrica.

“É fundamental que os trabalhadores da zona rural estejam cientes dos riscos e saibam das orientações para garantir a sua segurança e a de quem está a sua volta. Um toque acidental de uma máquina agrícola na rede de energia pode custar uma vida humana”, alerta o coordenador de Segurança da Energisa, Robson Jezler.

Esses cuidados não devem se restringir apenas aos veículos mais pesados ou de grande porte. Outras ferramentas mais simples também podem ser potencialmente perigosas e causar acidentes, por exemplo, varas com alguma estrutura de metal. É importante que os responsáveis por esses utensílios tenham orientação da sua forma correta de uso e observem a existência de redes elétricas nas proximidades.

Para evitar acidentes, a Energisa apresenta algumas orientações de segurança:

– Na movimentação de máquinas e tratores, cuidado com os cabos de aço que prendem os postes e torres no chão. Desvie deles. Esses cabos seguram os postes e não devem ser cortados e nem mudados de lugar;

– No carregamento de caminhões, preste atenção se existe rede elétrica próxima. Mantenha a distância mínima de seis metros de qualquer tipo de estrutura elétrica;

– Antes de utilizar máquinas agrícolas, faça um reconhecimento do local, planeje a atividade, observe com atenção se a altura e largura da máquina manterá uma distância segura da rede;

– Nunca permita que o jato de água dos irrigadores atinja a rede elétrica;

– Não estacione máquinas agrícolas embaixo das redes;

– Caso o veículo venha a encostar na rede elétrica, o motorista jamais deve tentar sair do maquinário. Neste caso, deve-se chamar imediatamente a Energisa, que desligará o fornecimento antes de resgatar o condutor.

– Não faça queimadas perto das redes de energia. Além de colocar em risco a vida da população, essa prática pode danificar as estruturas do sistema elétrico, causando a queda de postes e torres, provocando curtos-circuitos, rompimento de cabos e quedas de energia;

– Mantenha a vegetação podada para facilitar a visualização da rede elétrica;

– Jamais operar a abertura da caçamba de caminhão basculante se o veículo estiver debaixo da rede elétrica.

Em caso de acidente e quando houver falta de energia e/ou incêndio na rede elétrica, entrar em contato com os canais da Energisa

Call Center: 0800 079 0196

Site: energisa.com.br

WhatsApp (Gisa): (79) 98101-0715

Aplicativo Energisa On (disponível no Google Play ou App Store do celular)

Sobre a Energisa

Com 116 anos de história, o Grupo Energisa é o 5º maior em distribuição de energia elétrica. Uma das primeiras empresas a abrir capital no Brasil, a companhia controla 11 distribuidoras em Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo, Paraná, Rondônia e Acre. Com receita líquida anual de R$ 16,9 bilhões (ano 2019), o Grupo atende a 7,8 milhões de clientes (o que representa uma população atendida de aproximadamente 20 milhões de pessoas) em 862 municípios de todas as regiões do Brasil, além de gerar cerca de 20,5 mil empregos diretos e indiretos.

Com a missão de transformar energia em conforto, desenvolvimento e oportunidades de forma sustentável, responsável e ética, a Energisa atua com um portfólio diversificado que engloba distribuição, geração, transmissão, serviços para o setor elétrico (Energisa Soluções), serviços especializados de Call Center (Multi Energisa), comercialização de energia (Energisa Comercializadora) e soluções em energias renováveis (Alsol).

Fonte e foto assessoria

  Editoria: