Endividamento familiar aponta queda em Aracaju em dezembro

janeiro 14 13:51 2020 Imprimir Conteúdo

 

O Departamento de Economia do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac de Sergipe analisou os números do mês de dezembro de 2019 da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), realizada em Aracaju, e concluiu que o indicador de endividamento das famílias da capital sergipana apresentou redução em relação ao mês de novembro. O indicador apresentou uma leve queda no intervalo de 30 dias, oscilando -0,4%, caindo de 69,5% para 69,1%.

De acordo com a análise do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac são 136.878 famílias indicaram estar em condição de endividamento na capital sergipana, em dezembro. São 756 famílias a menos que novembro, quando o indicador apontou 137.634 unidades familiares. Aracaju ainda apresenta um percentual superior à média das capitais brasileiras, que atualmente é de 65,6%.

O presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira, comentou o resultado da pesquisa, lembrando que dezembro é um mês em que o endividamento eleva por naturalidade, considerando que o volume de compras é elevado no período final do ano, mas isso não aconteceu. “A elevação no número de famílias endividadas em dezembro, no momento de recuperação econômica do estado era esperada, mas aconteceu o contrário. A oscilação de crescimento estava em nossas expectativas, pois existem fatores que influem para isso, como as compras a prazo feitas no comércio, mas a redução foi interessante. Dezembro é o mês com maior volume de movimentação das lojas e as pessoas estão comprando mais de modo parcelado, para investir mais, sem gastar muito dinheiro de uma vez, atendendo seus interesses e pagando de acordo com o prazo que lhe agrada. Isso também é resultado da entrada de novos consumidores no mercado, já que o estado gerou mais de 7 mil empregos entre setembro e novembro. Essas pessoas também fazem compras a prazo. A leve redução no endividamento do consumidor indica que nosso comércio movimentou mais vendas, pois o consumidor fez compras e administrou melhor o seu dinheiro”, afirmou.

Tipo de dívida

O cartão de crédito, conforme explicado pelo presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, é o principal meio de compra a prazo dos consumidores, então é natural que mantenha sempre a primeira posição como principal causa de endividamento das famílias. O indicador apontou que 92,7% das famílias usam o dinheiro de plástico para compras parceladas e assim criam compromissos para pagamento futuro. Os outros principais tipos de dívida são carnês de crediário, com 20,2% das famílias e cheque especial, com 13,1% das famílias tendo como parte do seu endividamento.

Tempo médio de atraso

Entre as famílias com contas em atraso, o tempo médio de comprometimento com os compromissos é de 62,6 dias. Sendo que 42,6 das famílias estão comprometidas em pagamentos pelo período superior a 90 dias. O percentual de tempo comprometido de até 90 dias é de 27%, e com dívidas solúveis em até 30 dias é de 22,9%. 7,5% não souberam precisar o tempo estabelecido com seus compromissos.

Por Márcio Rocha

  Editoria: