Eduardo Amorim apresenta propostas para a Gestão Fiscal do Estado

Eduardo Amorim apresenta propostas para a Gestão Fiscal do Estado
setembro 11 06:00 2018 Imprimir Conteúdo

Nesta segunda-feira, 10, o candidato ao Governo do Estado, Eduardo Amorim (PSDB), compareceu ao Sindicato do Fisco do Estado de Sergipe (Sindifisco) para participar de um debate com os auditores fiscais. Na ocasião, o candidato apresentou suas propostas para as finanças públicas e gestão fiscal. Eduardo salientou que seu plano de governo está aberto a sugestões dos profissionais da área.

Visando o equilíbrio fiscal, Eduardo Amorim pretende fazer uma grande reorganização administrativa do governo estadual, com a diminuição da máquina administrativa. Entre as medidas, a redução de custos tanto de custeio quanto de pessoal, com a diminuição dos cargos comissionados. “Um modelo de gestão que prime pelo planejamento e pela eficácia, obtendo mais e melhores resultados com menos custos, incorporando novas tecnologias e sendo criativos nas soluções dos problemas”, destacou.

O candidato disse que o Estado precisa aumentar a arrecadação de recursos, porém sem aumentar impostos. Segundo ele, o caminho para alcançar objetivo passa pela reestruturação da Secretaria da Fazenda (Sefaz), com investimentos em equipamentos, inteligência modernização dos processos, nos servidores, além do combate firme à sonegação fiscal.

“A Sefaz terá como foco de trabalho a fiscalização, tributação e o aumento de arrecadação. Sergipe precisa sair da dependência do FPE e ter a capacidade de andar com suas receitas próprias, equilibrando suas contas e voltando a fazer investimentos”, detalhou.

Qualificação e Transparência

Aliado a uma maior e melhor estrutura de arrecadação, o plano de governo de prevê a qualificação dos gastos públicos. Para isso, Eduardo afirmou que vai implantar um grupo especializado para monitorar, avaliar e controlar todos os gastos do governo: o Conselho de Custos. “Será vinculado ao gabinete do governador que, junto com o Conselho, avaliará todas as solicitações de compras das secretarias e órgãos, além de monitorar a evolução das despesas públicas”, explicou.

Aumentar a transparência da gestão pública também está entre os pilares que sustentam a política fiscal sugerida pelo candidato. “A transparência e a prestação de contas de todos os gastos e ações serão outra marca do nosso governo. Com o Portal do Cidadão, de fácil acesso e compreensão, a população saberá quanto se arrecadou, quanto se gastou e em que se gastou o dinheiro arrecadado. Não admitiremos sonegação nem outras improbidades administrativas”, ressaltou.

Definir Prioridades

Na atual crise fiscal em que o estado se encontra, é necessário também que o governo estadual defina prioridades. “Se o dinheiro é pouco, ele deve ser utilizado em áreas prioritárias e estratégicas. Nossas prioridades serão as áreas sociais, investindo o que se arrecadou em Saúde, Segurança e Educação, trazendo qualidade de vida para nossa população. De forma imediata regularizar o pagamento dos servidores e aposentados”, assegurou Eduardo.

Gerar Emprego

Outra meta do candidato a governador do Estado é criar um grande programa de desenvolvimento econômico e de geração de emprego, atraindo novas indústrias e fortalecendo as que já estão atuando. Nesta conta, todos ganham. O trabalhador que terá um emprego formal, o empreendedor que terá condições favoráveis para produzir e o Estado que arrecadará mais”, pontua Eduardo.

Ainda nesta equação, acrescenta-se o incentivo às potencialidades de cada região do território sergipano. “Planejar e fomentar o desenvolvimento econômico regionalizado, conforme a vocação e geografia de cada região. Fortalecendo a agricultura, tanto familiar quanto a de médio e grande porte, e a criação de micro e pequenas empresas”, frisou.

“Para isso, vamos fortalecer o Banese para disponibilizar crédito ao microempreendedor individual, financiando a compra de equipamentos e de matéria prima, e incentivando o pequeno e médio empresário na modernização e mudança do seu maquinário e de sua tecnologia”, completou.

Descentralização

A descentralização das ações do governo, com o fortalecimento das ações regionais, também será uma marca do governo de Eduardo Amorim. “Os municípios serão nossos parceiros prioritários. Estabeleceremos com cada um, e em conjunto na região, uma relação de trabalho, de parceria e de complementação das ações que serão desenvolvidas. Com isso, ganharemos em efetividade e em otimização dos custos”, finalizou o candidato.

Ainda no Sindifisco, Eduardo Amorim se reuniu com a direção da entidade e tomou conhecimento da possibilidade de fechamento do Posto Fiscal da Sefaz de Propriá após a conclusão da duplicação da BR-101. “Vou lutar em Brasília, junto ao DNIT, para que esse importante posto de arrecadação continue funcionando”, garantiu Eduardo.

Fonte e foto assessoria

  Editoria: