Deputado Laércio Oliveira destaca projeção de crescimento de Sergipe com exploração do gás natural

Deputado Laércio Oliveira destaca projeção de crescimento de Sergipe com exploração do gás natural
junho 14 16:22 2022

 

Acontece até a próxima quarta-feira (15), no Delmar Hotel, em Aracaju, o Seminário ‘Sergipe Oil & Gas 2022’, evento realizado pelas empresas Brainmarket e Eolus, em parceria com o Governo do Estado, que discute o setor energético no país. As discussões giram em torno, principalmente, do momento que passa o Estado em relação ao segmento de óleo e gás, quando Sergipe se prepara para dar um salto na sua produção, tornando-se um dos maiores pólos de exploração do país.

Sergipe terá uma enorme produção de gás natural a partir de 2026, produzindo 20 milhões m³/dia de gás canalizados do mar, num gasoduto com cerca de 100 km de extensão nas águas, com mais 25 km em terra, prospectando a quase 2 mil metros de profundidade. Com isso, o Estado será responsável por 20% da produção nacional de gás, que se transformará em desenvolvimento, geração de empregos e renda para a população.

“Será a segunda redenção do nosso Estado. A primeira foi em 1963, com a descoberta da reserva de Petróleo em Carmópolis. Mas o que vamos fazer o que com 20 milhões de m³ de gás? Se reinjetarmos no poço perderemos essa riqueza. Então, a gente começou a trabalhar a Lei do Gás para discutir como otimizar esse gás em abundância para o nosso estado, por isso discutimos com os operadores as necessidades do mercado, fizemos o enfrentamento e conseguimos aprovar a lei”, disse Laércio.

Segundo o deputado, a nova Lei do Gás estabeleceu um novo marco regulatório para o setor no Brasil e foi fundamental para a abertura do mercado, criando maior oferta, competitividade, investimentos e realizações que só serão possíveis a partir dessa  lei. Laércio citou como exemplo o retorno das operações da Unigel Agro, antiga Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), que passou dois anos em hibernação e já está em plena atividade gerando empregos e benefícios para o Estado de Sergipe.

“Nós enfrentamos todas as dificuldades, porque precisávamos quebrar o monopólio existente há tantos anos, quando tínhamos somente um operador atuando num país com a dimensão como o nosso. Era um cenário não estava em sintonia com o que a gente precisava. Vencer essa barreira foi uma etapa importantíssima para que o Brasil se abrisse para o mundo em termos de óleo e gás”, disse.

“Passada essa primeira fase, nós trabalhamos a regulamentação da lei depois a sua aprovação, que completou um ano no mês de abril passado e agora a gente começa a sentir os reflexos daquilo que foi construído. Acreditando que essa é a segunda redenção do nosso estado, nós começamos a trabalhar intensamente e desde a semana passada que a gente começa a sentir os primeiros reflexos do que acontecerá no nosso Estado”, comentou.

Seminário

O Seminário ‘Sergipe Oil & Gas 2022 reuniu o assessor da Secretaria de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, Guilherme Eduardo Zerbinatti Papaterra; o secretário de Estado do Desenvolvimento e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto Pereira de Carvalho; o superintendente do Sebrae, Paulo do Eirado; o superintendente Executivo da Sedetec, Marcelo Menezes;  agentes do setor de energia; empresas da cadeia industrial e fornecedoras de bens e serviços de O&G; e entidades setoriais, de pesquisa e promoção comercial.

Foto assessoria

Por André Carvalho

  Editoria: