Depressão e suicídio são temas de palestra com profissionais da Saúde

Depressão e suicídio são temas de palestra com profissionais da Saúde
setembro 12 16:32 2018 Imprimir Conteúdo

 

“O ideal é que as pessoas olhem mais para si e para o colega no ambiente de trabalho”. A expressão que centralizou a temática da palestra “Depressão e Prevenção ao Suicídio”, foi pronunciada pela coordenadora do Centro de Valorização da Vida (CVV), Sílvia Neves, na manhã desta quarta-feira, no auditório do Centro Administrativo da Saúde Senador Gilvan Rocha. O evento faz parte das ações da Secretaria de Estado da Saúde (SES) em alusão ao Setembro Amarelo, mês de mobilização para a prevenção ao suicídio.

Para uma plateia interessada na temática, a coordenadora do CVV falou da importância de um cuidar do outro no ambiente do trabalho. “Atualmente as pessoas são individualistas, inclusive dentro do seio familiar. Por isso que muitas vezes alguém dá sinais de que não está bem e as pessoas ao seu redor não percebem. No ambiente de trabalho isso ocorre também com o agravante de que o estresse e a rotina contribuem para desestabilizar emocionalmente o trabalhador. Daí a importância de acolher o colega”.

Para ela, acolher o colega de trabalho significa, por exemplo, responder a um bom dia olhando para o outro porque assim é possível ver a sua fisionomia e observar se ele está triste, preocupado ou com algum outro sinal de problema. “Identificando estas características, você pode acolhê-lo com um abraço e lhe dar a oportunidade de conversar. Isso ajudará a estabilizá-lo emocionalmente”, disse ela.

Sílvia Neves destacou que essa prática de um cuidar do outro no ambiente de trabalho vem sendo disseminada e até implantada em grandes corporações internacionais e citou o chamado “termômetro emocional”, que se espelha nas cores do semáforo de trânsito e consiste em instalar, próximo ao local do ponto, um painel com o nome dos funcionários e cartões nas cores verde, amarelo e vermelho. “Ao chegar ao local do trabalho, o funcionário pode escolher uma das três cores e colocar no espaço correspondente ao seu nome. O de cor vermelha indicaria que ele não está bem e precisa de ajuda”, disse.

Repercussão

A palestra repercutiu muito bem entre os servidores da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Para o Referência Técnica da Rede de Atenção Psicossocial, Max Roberto da Silva Oliveira, a palestra foi esclarecedora e necessária para trazer novos hábitos ao ambiente de trabalho. “Há dias em que a gente não consegue desenvolver o trabalho porque não estamos bem. Então, o acolhimento do colega é importante”, enfatizou ele, destacando a iniciativa que está em execução na SES que é o Projeto Servidor Zen, que oferece atividades terapêuticas para os funcionários da casa.

A Apoiadora Técnica da Rede Hospitalar, Gilvanete Santana Santos, identificou na fala da coordenadora do CVV, situações vividas por ela. “A palestra foi muito gratificante. A gente assimila e traz para uma reflexão e percebe que dificilmente encontramos tempo para olhar para si e para o outro. Passei por uma depressão, mas superei graças à ajuda da família, que identificou o problema ao meu primeiro sinal”, disse.

CVV

Na palestra, Sílvia Neves falou sobre o trabalho do Centro de Valorização da Vida e de como a instituição ajuda as pessoas desestabilizadas emocionalmente, salvando vidas. Com 2.700 voluntários em todo país, a unidade em Sergipe está precisando de pessoas para continuar seu trabalho e, por isso, estará realizando no próximo mês, um curso para voluntários. Qualquer pessoa maior de 18 anos pode se inscrever, gratuitamente, pelo telefone 9 9945-0506. O serviço de ajuda do CVV funciona 24 horas pelo telefone 188.

A voluntária Patrícia Dantas destaca a importância do serviço. “Hoje, se percebe que falar sobre suicídio é importante porque chama a atenção para o tema. Muita gente pensa em suicídio  porque não está encontrando caminhos para seus problemas. E a gente acredita, através do CVV, que uma conversa consegue estabilizar sentimentos. A ideia é que a pessoa possa ser acolhida e falar sobre aquilo que não a deixa bem.  Acreditamos que as pessoas podem achar solução para os seus problemas”, declarou.

Foto: Flávia Pacheco

ASCOM SES

  Editoria: