Defesa Social mantém o monitoramento do impacto das chuvas em Aracaju

Defesa Social mantém o monitoramento do impacto das chuvas em Aracaju
julho 30 14:27 2018 Imprimir Conteúdo

Os impactos das chuvas que atingem a capital sergipana são monitorados pela Secretaria de Defesa Social e da Cidadania (Semdec), por meio da Defesa Civil de Aracaju, que se mantém atenta, especialmente, às áreas de risco. No último final de semana, foi registrado o acúmulo de 30mm em 72 horas, o que não gerou preocupações, visto que a cidade suportou bem o volume das precipitações. Esse resultado foi obtido a partir do trabalho preventivo da Prefeitura de Aracaju, que promove a atuação integrada de órgãos estratégicos para a redução de riscos.

O secretário de Defesa Social e da Cidadania, Luís Fernando Almeida, destaca a atenção permanente para minimizar os impactos das chuvas na capital. “No sábado, 28, choveu um pouco mais que o previsto, mas não tivemos grandes transtornos. As equipes estavam alerta e a cidade não sofreu com esse aumento de chuva. Continuamos com todas as ações preventivas, inclusive, com canais limpos, para que, caso haja uma precipitação maior, a cidade esteja preparada e as equipes possam dar uma pronta resposta”, enfatizou o secretário.

O coordenador da Defesa Civil de Aracaju, major Silvio Prado, explica que há um método para atuação durante as chuvas, com foco na redução do tempo resposta, em caso de registro de ocorrências, assim como, para minimizar os transtornos em caso de transbordamento e alagamento. “Quando se inicia a chuva, temos sempre uma equipe preparada e de sobreaviso para fazer o monitoramento das áreas de risco. Priorizamos os locais em que há canais com risco de transbordamento, como é o caso da avenida Airton Teles. Bairros com histórico de deslizamento de terra também são priorizados, como é o caso do Porto Dantas e Cidade Nova”, ressaltou.

De acordo com o major Silvio Prado, além da ronda pelas ruas da cidade, acontece o acompanhamento junto ao Instituto de Meteorologia e o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). “De imediato, nós entramos em contato para saber qual o volume de chuvas previsto para a capital, já que os fenômenos da natureza são dinâmicos e necessitam estar atualizados com a frequência necessária. A comunicação também se intensifica com o Centro de Meteorologia de Sergipe”, explicou.

As experiências na capital demonstram que a cidade pode suportar, com tranquilidade, até 60mm, em 24h, com poucos pontos de alagamento. “A concentração das chuvas em curto espaço de tempo é um dos fatores que pode demandar maior atenção. Se apenas 10mm tivessem chovido em apenas uma hora nós poderíamos ter observado mais pontos de alagamento. Levando em consideração, inclusive, que Aracaju está ao nível do mar, o escoamento poderia ser dificultado durante as marés mais cheias, conforme o volume de chuvas”, esclareceu o major.

A atuação integrada com a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) e de Obras e Urbanização (Emurb) reduz os transtornos a partir da limpeza e desobstrução de bueiros, tubulações e canais. “Nós trabalhamos com uma comunicação integrada e assim que identificamos alguma rua alagada entramos em contato com a Emsurb e com a Emurb para fazer a desobstrução. Esse é um trabalho em equipe, tanto preventivo, quanto de resposta. É o esforço da Prefeitura de Aracaju para que a cidade suporte uma quantidade maior de chuvas sem causar transtornos, como alagamento, inundação e deslizamento de terra”, finalizou o coordenador da Defesa Civil.

A Defesa Social conta com o apoio da população para que a Defesa Civil seja acionada por meio do telefone emergencial 199, em situações de possíveis riscos. Em caso de identificação de movimentações de terra, inclinação de postes e árvores, rachaduras ou movimentação de telhas durante as chuvas, o órgão pode ser acionado. O serviço funciona 24 horas por dia para contribuir com a segurança da população.

Fonte e foto assessoria

  Editoria: