Compra de votos foi o crime eleitoral mais registrado até o fechamento das urnas

Compra de votos foi o crime eleitoral mais registrado até o fechamento das urnas
novembro 16 07:41 2020 Imprimir Conteúdo

 

As eleições foram encerradas às 17h e o crime eleitoral com maior número de registros em Sergipe foi o de compra de votos. O Centro de Comando da Operação Eleições, localizado no Quartel do Comando Geral (QCG), da Polícia Militar, contabilizou 49 investidas delituosas contra o pleito eleitoral. Foram apreendidos mais de R$ 95 mil. As ações policiais de garantia da ordem da votação resultou na condução de 15 candidatos a vereador às delegacias. Os casos foram encaminhados à Polícia Federal.

O comandante da Operação Eleições, coronel Paulo Paiva, explicou que todo o valor apreendido foi encaminhado à Polícia Federal. “Nós tivemos 49 crimes eleitorais. O crime que ocorreu com mais frequência foi a compra de votos. Era um dinheiro que seria direcionado ilicitamente para tentativa de aquisição de votos e graças ao trabalho da polícia foram encaminhados à Justiça, já que todas essas pessoas foram todas presas e conduzidas às delegacias para serem responsabilizadas”, destacou.

O coronel Paulo Paiva ressaltou que os crimes eleitorais prejudicam a própria população e o futuro de toda a sociedade. “É algo que insiste em acontecer em todo pleito eleitoral. Ainda temos pessoas que tentam desequilibrar a disputa salutar das eleições abusando do poder econômico tentando comprar votos de pessoas desavisadas, que não percebem o malefício que causa a nossa democracia”, reiterou.

O coronel enfatizou que os trabalhos nas eleições tiveram como objetivo a garantia da integralidade do pleito eleitoral. “É importante destacarmos que essas prisões ocorreram independentemente de partido. A Polícia Militar não tem lado. É uma instituição de estado, patrimônio do povo de Sergipe, que trabalha com isenção para prevalecer a legislação”, pontuou.

SSP

  Editoria: