Com novo pedido de empréstimo, governo pode dar um tiro no próprio pé

julho 02 05:25 2018 Imprimir Conteúdo

“Sergipe já está diferente”. Pode-se ler e ouvir esta frase de efeito nas mais novas peças publicitárias do Governo do Estado. Uma forma, ainda tímida, de tentar se desvencilhar um pouco do governo de Jackson Barreto, cuja insatisfação ultrapassou os 70 por cento. Se vai dar certo ou não, só o tempo dirá, mas não é demais afirmar que os marqueteiros oficiais até que tiveram uma boa sacada, capaz de passar para a população o jeito Belivaldo de administrar, sem ferir os brios do seu chefe político.

Todo esse esforço pode dar em nada. Isso mesmo: em nada. Essa história de pedir autorização a Assembleia Legislativa para contrair empréstimo de 100 milhões de reais junto ao Banco do Brasil, acaba ofuscando essa frase de efeito, “Sergipe já está diferente”. Diferente como? Perguntarão os eleitores. Pedindo empréstimo de novo? Empréstimo é o que Sergipe mais fez nos últimos anos, desde Marcelo Deda, passando por Jackson e a situação só se agravou. Salários atrasados, obras inacabadas, precário atendimento na saúde, e por aí vai.

Com certeza, o sergipano, por mais mal informado que seja, lembra da época do Proinvest.  Governo garantia que seria a salvação de Sergipe. Foram mais de meio milhão de reais, mas muito pouca coisa mudou. De lá pra cá, muitos outros empréstimos foram feitos e a nossa divida passou de 900 milhões para mais de 7 bilhões de reais. O que o sergipano ganhou com tanto dinheiro? Quase nada. Não se pode fugir desta realidade.

GOVERNO NOVO

Se o governador Belivaldo Chagas quer mesmo passar para o eleitor que implementou uma nova forma de administrar, não pode entrar no mesmo barco furado de administrar com empréstimo, endividando ainda mais Sergipe, mantendo as mesmas mazelas, como por exemplo, o atraso de salários. Não vai funcionar. O cidadão sergipano espera do novo governador, um projeto de estado, capaz de equilibrar as finanças, cortando na própria carne. Como? Reduzindo o número de secretarias, cargos comissionados, melhorar a arrecadação e atrair novos investimentos. Isso sim, poderia credenciar a atual gestão a dar mais ênfase e tornar verdadeira a frase “Sergipe agora está diferente”. Com pedido de empréstimo, não vai conseguir.

PRATO FEITO PARA A OPOSIÇÃO

Esse pedido de empréstimo de 100 milhões de reais foi um prato cheio para a oposição ao Governo do Estado. Parlamentares, a exemplo do deputado Pastor Antônio dos Santos (PSC), não perderam tempo e começaram a associar o governo de Belivaldo aos outros governos, que passaram o tempo inteiro pedindo empréstimo, sem conseguir melhorar a vida dos sergipanos. Não pegou bem.

MAIS CRÍTICA

Quando se fala em oposição ao Governo de Sergipe, impossível esquecer o senador Antônio Carlos Valadares (PSB). Com tiradas inteligentes em suas contas nas redes sociais, já se associou aos que criticam o govenador Belivaldo Chagas, afirmando que o seu governo é nada mais nada menos que a continuidade do governo de Jacson Barreto.  E já começou a citar o novo pedido de empréstimo, como exemplo da mesmice.

ALIVIADOS

Os deputados estaduais envolvidos no caso das subvenções da AL, respiram aliviados depois que o Tribunal Superior Eleitoral determinou o arquivamento do processo. Agora é correr contra o tempo e tentar convencer o eleitorado da inocência.

A OBRA DA ASSEMBLEIA

Quem costuma passar em frente ao prédio da Assembleia Legislativa, diz não entender a demora da obra para substituir pastilhas da sua fachada. Os trabalhos iniciaram há mais de um ano e já foram gastos quase 2 mil reais. A AL pagou o projeto arquitetônico, pagou para retirar as tais pastilhas e parou por aí. Como perguntar não ofende, perguntamos: Tem que pagar a uma empresa para retirar e a outra para colocar as novas pastilhas? É certo isso? Por que a demora? As respostas serão devidamente publicadas aqui neste espaço.

SENADOR AMORIM

O senador Eduardo Amorim (PSDB), pré-candidato a governador de Sergipe, é contrário ao projeto do governo que pede autorização à Assembleia Legislativa para contrair empréstimo de 100 milhões de reais. Amorim afirma em alto e bom som que a intenção é beneficiar empreiteiros e garantir recursos para campanha política. Segundo ele, o fato se repete, da mesma forma que ocorreu em2014.

BRIGA POR ESPAÇO

O deputado estadual Zezinho Guimarães (MDB) e o pré-candidato, Zezinho sobral estão no mesmo grupo político, mas se tratam como adversários. Guimarães não perdoa Sobral por ter “invadido” algumas regiões consideradas bases eleitorais importantes para seu projeto de reeleição. Ainda acusa o xará de usar a máquina, na época em que estava a frente da Ação social para conquistar algumas lideranças. Não convidem os dois para a mesma mesa.

FÔLEGO NOVO

O deputado estadual Venâncio Fonseca (PSC) ganhou novo fôlego para o seu projeto de reeleição. Neste domingo, 01, botou o pé na estrada visitou vários municípios. O parlamentar era um dos mais inconformados com o processo das subvenções, sempre afirmando que não teria cometido qualquer crime. Com a decisão do TSE, arquivando o inquérito, afirmou que a justiça foi feita. Voltou a sorrir.

AS PESQUISAS

De novo as pesquisas. A mais recente, que coloca o deputado federal Valadares Filho à frente do senador Eduardo Amorim na corrida para Governo do Estado, começou a ser contestada. Assessores de Eduardo saíram com essa: “e gostar de se enganar”. Que coisa, não!

BOA SORTE BRASIL

Nesta segunda, 02, a seleção brasileira enfrenta o México, a partir das 11 horas. Que nossos jogadores possam nos dar a alegria que tanto precisamos para esquecer, por alguns instantes, nossa companheira fiel:  a tristeza, tão presente na vida do brasileiro, decepcionado com tanta corrupção. Boa sorte Brasil.

  Editoria: