Com Janeiro Branco, PMA reforça cuidados preventivos e tratamento à saúde mental

janeiro 05 06:40 2021 Imprimir Conteúdo

No mês voltado para o cuidado em saúde mental, o Janeiro Branco, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), reforça cuidados para a prevenção e tratamento. A campanha é pensada no início do ano justamente para aproveitar esse processo de renovação do novo ano, em que as pessoas costumam traçar metas e rever hábitos.
“É o momento de incentivar as pessoas a desenvolverem ações com foco no cuidado à saúde mental; seja através de inclusão de novos hábitos, como práticas meditativas ou de relaxamento, ou até mesmo por meio de atividades que proporcionem prazer e que garantam uma melhoria na qualidade de vida, sempre respeitando as condições de segurança e distanciamento social”, explica a coordenadora da Rede de Atenção Psicossocial (Reaps), Chenya Coutinho.
De acordo com a coordenadora, a saúde mental é uma condição subjetiva, em que, de modo geral, o sujeito apresenta pensamento organizado e consegue lidar com os conflitos do cotidiano, sendo capaz de lidar com frustrações, situação estressora, e mantém uma rotina de hábitos diários, como trabalho, lazer e convívio social.
“Quando o sujeito não apresenta uma organização mental razoável, pode haver uma maior dificuldade para lidar com questões cotidianas, principalmente em situações que gerem estresse ou frustrações. Como humanos, somos seres que integramos os campos biológicos, sociais, psicológicos e espirituais, e para termos saúde de fato, precisamos ter nossas necessidades básicas atendidas em vários campos, pois um interfere no outro. Dessa forma, pensar em saúde implica pensar em integralidade dos sujeitos, englobando qualidade de vida e bem-estar”, enfatiza.
Atendimento
A Saúde de Aracaju disponibiliza, em sua Rede de Atenção Psicossocial (Reaps), três níveis de atendimento, categorizados de acordo com urgência e gravidade de cada caso. Trabalhando mediante a promoção da equidade, reconhecendo os determinantes sociais da saúde, os serviços ofertados na Reaps dividem-se em Atenção Primária, Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e a urgência mental, disponibilizada no Hospital São José.
A Atenção Primária, ofertada em dez Unidades Básicas de Saúde (UBS), funciona como referência de saúde mental, com a presença de psicólogos e psiquiatras.
“O atendimento é regulado a partir do Núcleo de Controle, Avaliação, Auditoria e Regulação [Nucar] e Centros de Referências Especializados em Saúde do Trabalhador, de forma a priorizar os casos mais graves e urgentes. Neste processo, o aracajuano é encaminhado para o local mais próximo de seu endereço cadastrado no sistema, para que haja o máximo de facilidade possível no deslocamento”, orienta Chenya Coutinho.
Para atendimento nesses locais é preciso ter encaminhamento médico, prescrito por profissional da rede. Os adultos têm acesso ao serviço nas UBSs Santa Terezinha, Celso Daniel, Humberto Mourão, Marx de Carvalho, Dona Sinhazinha, Joaldo Barbosa, Edézio Vieira de Melo, Francisco Fonseca e Anália Pina de Assis. Já os atendimentos pediátricos são feitos nas unidades Ministro Costa Cavalcante, João Cardoso e Marx de Carvalho.
“Os casos crônicos, que necessitam de um tratamento mais aprofundado, são atendidos em seis Centros de Atenção Psicossocial (Caps), unidades que contam com equipes multiprofissionais, compostas por psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais, psicopedagogos, educadores físicos, entre outros. Dos Caps, cinco funcionam em regime de plantão 24h por dia, categorizados como tipo 3,  e um em horário comercial, de segunda a sexta-feira, se enquadrando no tipo 2. Quatro destes Caps atendem pessoas em sofrimento psíquico e transtorno mental e dois atendem casos decorrentes do uso abusivo de álcool e outras drogas”, reforça.
Para os casos de crises e urgências psiquiátricas, a Prefeitura de Aracaju contratou o serviço de urgência mental do Hospital São José. O modelo preconizado na capital é ligado à necessidade de respeito ao quadro de sofrimento mental de cada paciente, na busca por reforçar os vínculos entre o serviço público e a sociedade.
Serviço de Apoio Psicológico Remoto
Além dos danos causados ao corpo, a pandemia do novo coronavírus vem também afetando o aspecto emocional e psicológico. Para atender a essa demanda e ampliar o campo de serviços durante a crise sanitária, a Prefeitura oferta, desde o mês de abril do ano passado, o serviço de apoio psicológico remoto.
O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, ininterruptamente. Para acessar o serviço, basta contatar o 0800 729 534, e escolher a opção 2, a partir da qual um dos psicólogos da equipe realiza os atendimentos.
“Estamos lidando com um vírus que possui muitos fatores ainda desconhecidos e isso leva a uma alteração psicológica. É tanto que a própria OMS [Organização Mundial da Saúde] orienta a oferta desse tipo de serviço em situações de pandemia ou desastres naturais. Infelizmente, ainda existe um grande tabu relacionado à saúde mental. Assim, fazer esse atendimento por telefone, de forma que há uma maior privacidade do usuário, tem garantido uma maior adesão aos serviços psicológicos, dos mais simples aos mais complexos”, afirma a coordenadora.
fonte e foto assessoria
  Editoria: