Coleta de assinaturas em defesa dos Correios percorre município de Sergipe

agosto 21 06:17 2019 Imprimir Conteúdo

Sexta-feira (16/8) em Aracaju, segunda-feira (19/08) em Estância e em Lagarto, terça-feira (20/8) em Itabaiana, o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios (SINTECT/SE), filiado à Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), está numa luta incansável recolhendo assinaturas da população de Sergipe da capital e do interior para o “Abaixo-assinado Contra a Privatização dos Correios”. Nesta quarta-feira (21/8), será a vez de visitar o município de Nossa Senhora da Glória.

Nas viagens pelo interior do Estado os dirigentes sindicais estão debatendo com a população sobre as consequências de uma privatização, e o quanto a população será penalizada caso isso aconteça.

Os Correios estão presentes em 5.570 municípios brasileiros e, entre várias funções que desempenham, entregam mais de 20 milhões de objetos por dia chegando a localidades em que a iniciativa privada não tem o menor interesse de atuar.

Segundo o dirigente do SINTECT/SE, Jean Marcel, o fechamento de agências e demissão de funcionários são alguns dos possíveis efeitos, caso o projeto de privatização dos Correios se concretize. “Os Correios executam papel central na execução de políticas públicas. É quem entrega livros, material didático no prazo do calendário escolar, distribui vacinas aos postos de saúde de mais de 5 mil municípios, entre outros. Em caso de privatização, boa parte da população ficará sem acesso ao serviço dos Correios, a exemplo do que aconteceu em outros Países como Portugal que privatizou os Correios e 15% da população ficou sem serviço postal. Aqui no Brasil seria ainda pior, pois nosso País tem dimensão continental e não temos a estrutura ferroviária e aeroviária dos Países da Europa”, explicou de forma didática.

A ação de coleta de assinaturas e de diálogo com a população é realizada em âmbito nacional com o objetivo de alcançar 20 milhões de assinaturas de brasileiros contra a privatização dos Correios, a empresa pública que só em 2018 gerou um lucro de R$ 161 milhões. “Vamos mostrar aos deputados e aos senadores que apesar do sucateamento para acabar com a imagem dos Correios, boa parcela da população brasileira não concorda com a privatização e reconhece a importância desta grande empresa pública, que além de ser lucrativa, é meio de sustento de 100 mil famílias brasileiras”.

Foto assessoria

Por: Iracema Corso

  Editoria: