Bombeiros de SE atenderam 5,5 mil ocorrências em 2017

Bombeiros de SE atenderam 5,5 mil ocorrências em 2017
janeiro 09 07:23 2018 Imprimir Conteúdo

A maioria dos chamados, 47,7% (2.646), foi referente à busca e salvamento

O Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE) registrou, em 2017, um total de 5.548 ocorrências atendidas em todo o estado, o que representa 17% a mais do que o quantitativo de 2016, quando foram computados 4.608 atendimentos. De acordo com os dados do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), a maioria dos chamados do ano passado, 47,7% (2.646), foi referente à busca e salvamento. Os incêndios equivalem a 23%, 1.273 do somatório. As demais ocorrências envolveram resgates – 15,1% (839); ações preventivas – 7% (388); acidentes automobilísticos – 6,5% (361) e ações de defesa civil – 0,7% (41).

Dentre os incêndios registrados, 696 foram urbanos (em edificações e veículos) e 577 em vegetação, cuja maior incidência se deu nos meses de janeiro e fevereiro, diminuindo a partir do final de março, quando acaba o verão e a onda de calor começa a perder força. Além das mudanças climáticas, as principais causas das queimadas são humanas, tais como falta de planejamento ao atear fogo para limpeza de terrenos, acúmulo de lixo que serve como material combustível e o ato de jogar pontas de cigarro, latas de metal ou garrafas de vidro nas margens das rodovias.

Quanto aos incêndios em edificações, observa-se que grande parte ocorre em residências. De acordo com o tenente BM Fabiano Queiroz, que atua na linha de frente das ações de socorro, a maioria dos incêndios em casas e apartamentos é causada por problemas na fiação elétrica. “O acidente só acontece quando a prevenção falha. É importante fazer revisão na parte elétrica da residência e evitar o uso excessivo de benjamim, também conhecido como ‘T’, para evitar sobrecarga na fiação. Outra coisa que pode provocar incêndio é o uso de notebooks em cima da cama ou de sofás, pois o coller (ventiladorzinho que reduz o calor produzido principalmente pelo processador) para de funcionar e aquece o estofado”.

O tenente Queiroz ressalta que certos incêndios em edificações podem ser evitados com um pouco mais de cuidado e atenção por parte dos moradores. “Um grande erro comum cometido é o uso em excesso de material combustível na cozinha, a exemplo de capa no botijão de gás e panos de prato em cima do fogão. Outro erro é esquecer ferro elétrico ligado e acender velas dentro de casa. Caso acenda, é preciso colocá-la em cima de um prato cujo raio seja maior que o tamanho da vela. Também é preciso ter cuidado com o uso de GLP. Acontece às vezes de o leite ferver e derramar, apagando a chama, mas o gás continua liberado. É importante ainda que o cidadão observe a validade do sistema de mangueiras do GLP e da válvula redutora de pressão”, explica.

Fonte Ascom CBM/SE

  Editoria: