Avaliação de pessoas com predisposição genética ao câncer já pode ser feita em Sergipe

Avaliação de pessoas com predisposição genética ao câncer já pode ser feita em Sergipe
agosto 09 10:54 2018 Imprimir Conteúdo

Já imaginou identificar, de forma precoce, pessoas com predisposição genética ao câncer, além de permitir o planejamento de medidas de vigilância, visando à detecção precoce e a redução de risco de ocorrência da doença? Sim. Isso é possível, através da oncogenética, um serviço que já é oferecido em Sergipe, através da Clínica Onco Hematos.

Especialista em oncogenética, Dra Betânia Toralles, já está atendendo na clínica e na noite desta quarta-feira, 08, realizou uma palestra na Onco Hematos para a equipe multidisciplinar com o objetivo de orientar a todos os profissionais sobre Aconselhamento Genético em Oncologia. De acordo com a oncogeneticista sempre que houver suspeita de câncer hereditário deve ser realizada uma consulta com um médico geneticista, que irá investigar essa possibilidade e realizar o aconselhamento genético.

Durante a palestra, a oncogeneticista orientou que o aconselhamento genético identifica os riscos e as estimativas de risco de recorrência da doença da família, com o objetivo de fornecer o máximo de informações possíveis a respeito do diagnóstico e opções de manejo. “Quando há a necessidade de realizar o aconselhamento genético, fazemos o aconselhamento pré-teste, realizamos a coleta do material biológico, após o resultado discutimos e elaboramos estratégias e realizamos ainda o aconselhamento pós-teste. Mesmo que a mutação não seja detectada no paciente, isso não significa ausência de risco”, alerta.

“Existem algumas situações que o paciente precisa ser encaminhado para o aconselhamento genético. São pacientes com história pessoal de câncer em idade jovem ou aparecimento do tumor em idade onde não é comum a ocorrência deste tipo de neoplasia; paciente com história de câncer afetando várias gerações da família; paciente com múltiplos tumores, mesmo sem histórico familiar de câncer; e indivíduos que queiram realizar avaliação de risco em decorrência da história pessoal e/ou familiar de câncer”, explica.

A oncogeneticista destaca ainda que existem alguns tipos de câncer que têm maiores tendências para gerar um câncer hereditário, dentre eles o câncer de mama e de ovário. “No caso do câncer de mama e ovário, aproximadamente 5 a 10% das mulheres com esses tipos de câncer têm mutações. Quando a mutação é detectada, o risco de desenvolvimento do câncer pode chegar a 85%”, ressalta.

De acordo com Dra Betânia Toralles, deve realizar testes genéticos para câncer hereditário de mama ou ovário as pessoas com diagnóstico de câncer com menos de 45 anos. “Indivíduos com história de três familiares diretos com câncer de mama ou ovário, dos quais pelo menos um tenha menos de 50 anos; pessoas que tiveram câncer de mama bilateral e/ou triplo negativo; câncer de mama em homens e pessoas de etnia judaica estão nessa lista”, salienta.

Além desses tipos de câncer, existem outros que também podem ser hereditários, como câncer de próstata, câncer colorretal, câncer de pâncreas, de rim, câncer do sistema nervoso central, dentre outros.

Ascom/OncoHematos

 

  Editoria: