Aribé pede atuação da Câmara sem viés político-partidário

Aribé pede atuação da Câmara sem viés político-partidário
maio 05 07:22 2018 Imprimir Conteúdo

 

O vereador Lucas Aribé (PSB) foi um dos oito parlamentares que compareceram à Audiência Pública promovida pela Câmara Municipal de Aracaju na manhã desta sexta-feira, 4, na Universidade Tiradentes. Os vereadores e a comunidade acadêmica debateram sobre a elaboração e a execução da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e sobre a Lei Orçamentária Anual (LOA) do município. Lucas ressaltou a necessidade de que as questões alusivas ao orçamento do município sejam tratadas sem o viés político-partidário.

“Eu já presenciei emendas sendo rejeitadas, tendo pareceres contrários por conta de lado partidário. Em várias ocasiões, o Executivo enviou a LOA dentro do prazo, mas sem o Quadro de Detalhamento das Despesas (QDD), peça obrigatória, definida na Lei de Responsável Fiscal. E já tivemos pareceres favoráveis de comissões a projetos de lei orçamentária sem o QDD. Isso é ruim”, analisou Aribé.

“Tanto a oposição quanto a situação e posição devem construir e ter um bem comum. Eu não consigo visualizar alguém que represente o povo e queira destruir o trabalho da gestão atual do município. Quando a oposição traz uma emenda ou sugestão é com o intuito de contribuir na execução dos trabalhos. Apesar de todas as diferenças na Câmara, o objetivo de todos nós é ajudar o povo de Aracaju”, ressaltou Lucas.

O vereador elogiou presidência da Câmara pela realização de uma audiência pública na universidade. “Parabenizo a iniciativa do presidente Nitinho de aproximar mais o legislativo do cidadão e do ambiente acadêmico. Essa é uma ação louvável e tem o intuito de trazer para os estudantes um pouco mais do dia-a-dia parlamentar abordando temas de interesse da sociedade”, avaliou.

O vereador trouxe como sugestão para as audiências públicas itinerantes a questão da acessibilidade. “Temos a audiência de hoje sendo transmitida pela TV Câmara, mas as pessoas com deficiência auditiva foram esquecidas porque não contamos com a presença de intérpretes da Libras. Isso não é uma crítica, mas sim, uma orientação que oportuniza melhoria. Outra sugestão que faço é sobre a descrição de imagens durante a apresentação dos slides para que pessoas com deficiência visual possam compreender o que está sendo mostrado no telão”, orienta.

Fonte e foto da assessoria

  Editoria: