A hora de fatiar a Prefeitura

A hora de fatiar a Prefeitura
dezembro 03 08:25 2020 Imprimir Conteúdo

 

Por Adiberto de Souza

Embora não admita publicamente, o prefeito reeleito Edvaldo Nogueira (PDT) deve se reunir, em breve, com líderes dos partidos aliados para dividir a Prefeitura de Aracaju em fatias generosas. Nada menos do que 12 legendas serão contempladas. Ficarão com as partes mais saborosas as siglas que melhor contribuíram com a reeleição do pedetista. Durante o encontro, Edvaldo ouvirá o que cada um pretende, para só então dizer o que pode oferecer. Claro que o “bolo” colocado à mesa para divisão não será tão grande e saboroso como era nas épocas das vacas gordas, porém deve saciar a fome dos partidos, afinal é toda a estrutura administrativa da Prefeitura que será rateada. Resta saber se todos os beneficiados com essa divisão estão mesmo preocupados com um futuro melhor para Aracaju ou se existe quem esteja pensando apenas em se locupletar, à maneira dos piratas contemplados com a pilhagem dos navios saqueados em alto mar. Home vôte!

Dúvida atroz

O governador Belivaldo Chagas (PSD) jura que só falará em 2022 se vai disputar a única vaga para o Senado. Muitos aliados entenderam que, ao empurrar esse debate para o ano das próximas eleições, Chagas mandou um recado aos apressados em se lançar candidatos à sua sucessão. Outros acharam que, ao evitar discutir agora o pleito de 2022, Belivaldo expos algumas dúvidas que lhe tiram o sono: deve ou não renunciar em favor da vice Eliane Aquino (PT) para disputar a cobiçada cadeira de senador? E se, com o governo nas mãos, os petistas o colocarem de escanteio? Cruz, credo!

Discutindo 2022

Quer queira ou não o governador Belivaldo Chagas (PSD), os seus aliados não tratam de outra coisa que não seja as eleições de 2022. Ontem mesmo, os deputados federais Laércio Oliveira e Fábio Reis, respectivamente, presidentes do Progressistas e do MDB, se reuniram em Brasília. O objetivo, segundo postou Laércio nas redes sociais, foi “conversar sobre o futuro de Sergipe”. Também presente ao encontro, o ex-deputado federal Sérgio Reis (MDB) afirmou que “já iniciamos a ampliação do pacto para 2022”. Ah, bom!

Jovens covardes

Pesquisa revela que 55% dos jovens com idades entre 15 e 24 anos já praticaram algum tipo de violência contra as mulheres. Feita pelo Instituto Data Popular, a sondagem citou agressões como xingar, empurrar, ameaçar, dar tapa, impedir de sair de casa, proibir de sair à noite, não deixar usar determinada roupa, humilhar em público, dar um soco, obrigar a ter relação sexual sem vontade e ameaçar com arma. Entre as mulheres ouvidas pela pesquisa, 66% disseram já ter sido vítima de um desses tipos de agressões. Aff Maria!

Oposição dividida

A candidata derrotada à Prefeitura de Aracaju, delegada Danielle Garcia (Cidadania) desagradou muita gente ao se considerar “a única oposição verdadeira”. Entre os que não concordam com a policial está a vereadora reeleita Emília Corrêa (Patriota): “Não existe apenas um grupo representando a oposição”, alerta a parlamentar, numa indireta para a delegada. Emília discorda de Daniella quando esta se considera a única oposição verdadeira: “Isso é uma inverdade. Falando assim, parece até que eu faço oposição de mentira”. Crendeuspai!

Como e dorme

Como será que se sente o eleitor ao saber que, com raras exceções, os deputados e senadores só “trabalham” no Congresso três dias por semana? Diferente do operário, que acorda cedo todos os dias para enfrentar uma jornada de trabalho de oito ou mais horas, os congressistas vão à Brasília na terça-feira, dão uma “enrolada” por lá e retornam aos seus estados na quinta-feira à noite. Além de terem praticamente todas as despesas pagas, os fidalgos ainda recebem uma grana preta no final do mês. Portanto, quando essa turma de come e dorme briga para se eleger, não está pensando no trabalhador, mas nas mordomias do poder. Desconjuro!

Deputados recuam

Valeu a chiadeira dos professores contra o maléfico Projeto de Lei Complementar e a Mensagem do governo Belivaldo Chagas (PSD) retirando direitos sagrados dos servidores. Por sugestão do deputado Gilmar Carvalho (PSC), o presidente da Assembleia, Luciano Bispo (MDB), retirou as matérias da pauta desta quinta-feira, para melhor avaliação. Em seu discurso, Gilmar se disse preocupado com a falta de consulta aos servidores sobre uma proposta que causa sérios danos à categoria, principalmente aos aposentados. Até o momento, o governo não disse nada sobre as críticas contra o projeto e a Mensagem. Marminino!

Ministro trapalhão

Em plena pandemia, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, quis empurrar goela abaixo da comunidade universitária o retorno das aulas presenciais. Diante da forte reação de professores e estudantes, inclusive com ameaça de greve sanitária, o dito cujo deu pra trás em sua despropositada ideia. Alguém aí lembra de alguma ação positiva adotada pelo tal ministro? Aliás, ele ficou conhecido após afirmar, de forma preconceituosa, que o adolescente que “opta por andar no caminho do homossexualismo” vive em “famílias desajustadas”. Vade retro Satanás!

Agora vai!

Antes de assentar a poeira da derrota eleitoral em Aracaju, o senador Alessandro Vieira (Cidadania) já está pensando nas próximas eleições. Entrevistado pelo jornalista Eugênio Nascimento, o fidalgo prometeu “trabalhar por uma mudança na gestão em 2022”. Vieira ressaltou que é oposição “a esse grupo que governa mal Sergipe porque eles já tiveram muito tempo no poder e não resolveram os problemas do povo”. Vixe!

Sapeca-iaiá

O marginal Edinatan Eduardo de Jesus apanhou como gente grande ao tentar assaltar um micro-ônibus que faz a linha Aracaju-Capela. Quando sacou o revólver e anunciou o assalto, o mequetrefe levou uma bofetada do cobrador, tempo suficiente para os passageiros caírem de porrada em cima dele. O sapeca-iaiá só parou com a chegada de dois guardas municipais de Rosário do Catete. Socorrido, o vagabundo confessou ser ex-presidiário e implorou pelo amor de Deus para ser preso, desde o que tirassem dali. Bem feito!

Recorte de jornal

Publicado no jornal aracajuano Gazeta Socialista, em 22 de maio de 1948.

  Editoria: