400 vagas para alfabetização de jovens e adultos são ofertadas em Aracaju

400 vagas para alfabetização de jovens e adultos são ofertadas em Aracaju
abril 08 16:10 2019 Imprimir Conteúdo

Como meta do Planejamento Estratégico e objetivando caminhar para a erradicação do analfabetismo na capital, a Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Educação (Semed), iniciará o projeto “Aracaju Alfabetiza”, voltado para jovens e adultos que são analfabetos ou analfabetos funcionais. Com 400 vagas disponíveis, distribuídas em diversos bairros da cidade, a idade mínima para participar do projeto é a partir de 15 anos. A execução do Aracaju Alfabetiza está sob a responsabilidade da Coordenadoria de Educação de Jovens e Adultos da Semed (Coeja).

As inscrições já estão abertas e as aulas iniciarão no mês de junho. Para participar, além de cumprir o requisito de idade, o aluno também precisa estar, no mínimo, há dois anos sem matrícula em nenhuma unidade de ensino da rede. “Este projeto faz parte do Planejamento Estratégico da gestão e estamos buscando quais as comunidades que apresentam as maiores demandas de analfabetos. A meta é fechar até 20 turmas em toda a cidade e a nossa equipe está trabalhando na divulgação e na matrícula destes alunos”, explica a secretária municipal da Educação, Maria Cecília Leite.

Antes do início do ano letivo para esta modalidade, os professores da rede que darão aulas no projeto passarão por capacitação. “Os nossos professores efetivos e também os que foram contratados no último Processo Seletivo Simplificado, que trabalharão no projeto, receberão a formação sobre alfabetização. O objetivo é que todos os alunos matriculados terminem o ano letivo sabendo ler e escrever”, afirma a coordenadora do Coeja, Ana Izabel de Moura.

O calendário do Aracaju Alfabetiza foi programado para encerrar próximo dos alunos do ensino regular. Em 2020, esses estudantes serão reclassificados e encaixados nas turmas do Ensino de Jovens e Adultos (EJA) que mais se adaptarem.

Localidades

Após verificação realizada em toda a cidade, a Semed mapeou os locais que apresentaram as maiores demandas. Os bairros Santa Maria e 17 de Março são os que mais registram presença de jovens e adultos analfabetos. Diante disso, mais turmas serão ofertadas nestas localidades. As aulas serão realizadas tanto em escolas como em outras instituições públicas, como os Centros de Referência da Assistência Social (Cras), sedes do Conselho Tutelar e da Fundação Municipal de Formação para o Trabalho (Fundat).

Outra localidade que também receberá uma turma do Aracaju Alfabetiza é a comunidade quilombola da Maloca, situada no bairro Getúlio Vargas, uma antiga reivindicação dos moradores. “Eles estavam há muito tempo pedindo essa turma e estão muito felizes com a chegada do Aracaju Alfabetiza na comunidade. Estão se matriculando e nos apoiando na divulgação”, comenta Ana Izabel.

Para dúvidas sobre a matrícula, os interessados poderão entrar em contato com os números do call center da matrícula on-line: 3179-1534, 3179-1538 ou pelo whatsapp 98106-2969. “Para abrir mais turmas, vamos buscar os espaços disponíveis. Se houver escolas da rede no local, utilizamos, senão, vamos atrás de associação de moradores, de Cras, contanto que seja na região para não dificultar a locomoção dos alunos que, em sua maioria, são idosos”, finaliza Ana Izabel.

O projeto

O “Aracaju Alfabetiza” tem como meta a erradicação do número de analfabetos absolutos e funcionais. Para realizar o diagnóstico, foram utilizados os bancos de dados do Programa Bolsa Família, do Cadastro Único, da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), da Secretaria Municipal de Assistência Social, cadastro dos cidadãos atendidos no Centro POP, dos Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas), dos Cras, das associações de bairros e dos Conselhos Tutelares.

A política de alfabetização aos cidadãos que ingressam no projeto é de acelerar os três anos iniciais do Ensino Fundamental, em um período de 200 dias letivos, com três horas diárias de estudos, totalizando a carga horária de 600 horas, obtendo-se um percentual significativo de aprovação com qualidade e competência. Além da alfabetização, esta ação pretende, em parceria com a Fundat, oportunizar formação para o mundo do trabalho, a exemplo de noções de informática, bem como outras formações para uma cidadania empreendedora.

Confira aqui os locais de turmas já formadas e onde também podem ser realizadas as matrículas.

Cras  Santa Maria – FUNDAT (Tarde)

Cras  Lamarão – Emef Sérgio Francisco da Silva (Noite)

Conselho Tutelar do São Conrado – Emef José Conrado de Araújo (Noite)

Conselho Tutelar do Santa Maria – Emef Papa João Paulo II (Noite)

Conselho Escolar da Emef Papa – Emef Papa João Paulo II (Noite)

Comunidade Quilombola da Maloca – Sede da comunidade – (Tarde)

Emef Manoel Bonfim (Bugio) – Emef Manoel Bonfim – (Noite)

Cras Bairro América – Sede do Cras (Noite)

Cras do José Conrado de Araújo – Sede do Cras – (Tarde)

Conselho Tutelar 5° distrito – Emef Letícia Soares (Noite)

Cras do 17 de Março – Fundat (Tarde)

Cras do Cidade Nova – Sede do Cras (Tarde)

Cras do Coqueiral – Sede a confirmar (Tarde)

Largo da Aparecida (Jabotiana) – Emef José Airton de Andrade (Noite)

AAN

Foto Walter Martins

  Editoria: